Índia: Ianques afirmam guerra popular como sua terceira maior ameaça 

O Departamento de Estado ianque citou o Partido Comunista da Índia (Maoista) e o movimento revolucionário como terceira mais perigosa ameaça aos seus interesses no mundo. O relatório, publicado anualmente, designa como “ameaça terrorista” àqueles que lhes impõem limites.

Unidade guerrilheira do EGPL, dirigido pelo PCI (Maoista)
Unidade guerrilheira do EGPL, dirigido pelo PCI (Maoista)

O PCI (Maoista) foi qualificado como terceira força, atrás apenas do Estado Islâmico da Síria e Iraque (EISI) e do Talibã (Afeganistão). Nestes países, desenvolve-se uma guerra de resistência nacional contra a agressão militar ianque.

De acordo com o referido relatório, o PCI (Maoista) foi responsável por 336 ações armadas “no ano passado, em que 174 pessoas morreram e 141 ficaram feridas”.

Novos comitês populares

Não são apenas os ianques, mas também as “autoridades” reacionárias do estado de Kerala, na Índia, que estão preocupadas, segundo o monopólio da imprensa. A razão é o crescimento da atividade do Partido Comunista da Índia (Maoista), que formou novos Comitês revolucionários populares na fronteira de Kerala-Tamil Nadu-Karnataka, no início deste ano.

Os comitês funcionam como órgãos do novo Poder no país, nos quais as massas dirigem os assuntos administrativos e, apoiadas no Exército Guerrilheiro Popular de Libertação (EGPL) e sob direção do PCI (Maoista), governam a região.

Os maoistas conseguiram organizar reuniões nessas áreas que contaram com a presença de membros do EGPL. Muitos desses lugares permanecem inacessíveis ​​para as forças de repressão e as agências do velho Estado.

Os maoistas, por sua vez, estabeleceram contato com o povo e ganharam o apoio local. Na região, o EGPL já está realizando treinamentos e formando novos combatentes vermelhos para a guerra popular.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro