Festa popular dos blocos carnavalescos

Pequenos ou grandes, os blocos de rua têm tomado espaço no carnaval do Rio de Janeiro. Acessível ao povo, muitos deles com total liberdade de fantasias, sem venda de camisa obrigatória, os blocos continuam mantendo a característica de festa popular do carnaval, com participação de todos, socialização da brincadeira, e não apenas uma contemplação de escolas de samba.

Fantasmas do Maxixe
Fantasmas do Maxixe

O carnaval brasileiro é uma festa popular de caráter histórico e social, conhecida mundialmente. A festa é dividida em algumas manifestações, que são os desfiles de escolas de samba, bailes, bandas, blocos de rua e blocos de enredo ou cordões.

Os blocos de rua e cordões, com total liberdade de fantasia ou seguindo um tema, tocando marchinhas, sambas, ritmos nordestinos etc. sempre tiveram uma grande importância no carnaval, desde o seu início, mas por alguns anos, principalmente décadas de 1980/90, andaram meio desaparecidos, retornando com força neste século.

A clarinetista Valere Faria, entrevistada na edição 196 de A Nova Democracia, é um exemplo de foliã e incentivadora do carnaval de rua na cidade do Rio de Janeiro.

— Bloco de carnaval é uma manifestação autêntica do povo, tanto que ela nasce sozinha, pequenininha e cresce virando um patrimônio histórico. Infelizmente existe o dinheiro que se apropria do que é do povo e passa a cobrar para que ele possa usufruir da sua própria criação – conta Valere.

— E como já disse o samba da Império Serrano “Super Escolas de Samba S.A.”. Mas não tem jeito, como é autêntico e verdadeiro, logo se vê uma criança sambando, tocando um surdo, um tamborim, se reunindo, compondo músicas e é nato, é nosso, é carioca, é brasileiro – continua.

Escorrega mas não cai
Escorrega mas não cai

Valere está à frente do bloco Fantasmas do Maxixe, criado por seu pai, Edeltrudes Marques da Silva.

— O Fantasma surgiu da vontade do meu pai de fazer um bloco da sua época, dos tempos antigos, e resgatar músicas e ritmos de antigamente, como o maxixe. O bloco nasceu em 2014, e em 2015 foi seu primeiro carnaval. O nome vem da música A História do Bloco do Fantasma, de Henrique Martins, essa música fala do surgimento dos ritmos no Brasil – explica.

— Muito boa, quando ouvi peguei para ser o nome e o hino do Bloco. O Fantasma toca sempre no domingo de manhã, uma semana antes do carnaval, no bairro Grajaú, e o maxixe é tão contagiante que não conseguimos tocar só no carnaval, assim os integrantes fizeram um grupo para tocar o ano todo, o grupo Carioca Maxixe – conta entusiasmada.

Outro bloco que anima o carnaval carioca é o Escorrega mas não cai, que tem como presidente o folião Carlos André Silva.

— O bloco pode ser considerado fruto do projeto “Onde tudo começou...”, projeto esse que oferecia diversas oficinas gratuitas, incluindo percussão, com o mestre André para a comunidade do Morro da Conceição e adjacências. E foi com o término desse projeto que os alunos da oficina de percussão, se vendo completamente radiantes com o que aprenderam, decidiram unir-se novamente – recorda André.

Animação por ruas e ladeiras

— Só precisavam de um motivo para isso, e este motivo veio no dia 6 de julho de 2008, na Rua do Escorrega, altura do número 39, onde comemorava-se o chá de bebê da iluminadora Rhiana, filha de Patrícia e Rafael, este um dos fundadores do bloco. Neste dia vários fatores favoreciam para a a do bloco:

— A maioria dos alunos era convidada no chá de bebê, os instrumentos de percussão estavam guardados bem próximo, na casa do Camarão, mais um fundador do bloco, com a festa animada regada a muita amizade, churrasco e cerveja, logo surgiu a vontade de fazer um barulho e agitar ainda mais o que já estava pra lá de animado – relata Carlos.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro