MG, MS, RS e SC: Ocupação de terras

Cerca de 200 famílias ocuparam uma área da JBS em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, na madrugada de 24 de janeiro. As famílias exigiam que as terras ocupadas fossem destinadas à “reforma agrária”, pois aquela seria uma área pública que foi doada pela prefeitura à empresa frigorífica.

Henrique Kawaminami
Área da JBS é ocupada em Campo Grande, Mato Grosso do Sul (foto: Henrique Kawaminami)
Área da JBS é ocupada em Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Os camponeses, vinculados à Frente Nacional de Luta (FNL), afirmaram que não pretendem sair das terras até que tenham um posicionamento do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) sobre a situação jurídica da área ocupada.

No Rio Grande do Sul, camponeses ocuparam duas áreas abandonadas pertencentes ao estado na manhã de 19 de janeiro, também para reivindicar a realização da “reforma agrária”. Os camponeses, vinculados ao MST, cobraram do gerenciamento estadual de José Ivo Sartori/PMDB a cessão das áreas ocupadas ao Incra para serem distribuídas às famílias camponesas da região.

Aproximadamente 200 camponeses ocuparam uma área, com mais de 200 hectares, que pertence à Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE), no município de Candiota. Já no município de Encruzilhada do Sul, cerca de 250 camponeses ocuparam uma área de 350 hectares da Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (Fepagro)

Ainda no mesmo dia, a Vara Judicial de Encruzilhada do Sul deferiu a liminar de reintegração de posse contra a ocupação da área da Fepagro, solicitada pela Procuradoria-Geral do Estado do Rio Grande do Sul (PGE-RS). Até o fechamento da presente edição (05/02), a reintegração de posse ainda não tinha data definida para o seu cumprimento.

“Nós queremos que a terra cumpra a sua função social, que ela possa nos alimentar e alimentar a quem está na cidade.”, afirmou a camponesa Eliane Saionara de Azevedo.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro