A Medicina na China revolucionária

Seus reflexos no Brasil e Índia

'Médicos de pés descalços' foram exemplos na prática da medicina popular
'Médicos de pés descalços' foram exemplos na prática da medicina popular

A prática da Medicina na China durante o período revolucionário (de 1949 a 1976) foi marcada por excepcionais avanços, principalmente nas áreas de Epidemiologia, Atenção Básica à Saúde e Cuidados Paliativos. As formas e os métodos empregados na luta contra sérios desafios, como a altíssima mortalidade infantil (que chegava a 200 mortes a cada 1 mil nascimentos no ano de 1949), constituem material de extremo valor e aplicabilidade empírica e por isso devem ser disseminados, compreendidos e estudados a fim de extraírem-se valiosas lições para  as  áreas de políticas públicas relacionadas à saúde. Este breve artigo tem portanto a função de contribuir para a divulgação destas valiosas experiências históricas que a reação faz questão de obscurecer.

Os ‘Médicos de pés descalços’

Pouco depois da fundação da República Popular da China, em 1º de outubro de 1949, Mao Tsetung como Presidente do Comitê Central do Partido Comunista da China postula as principais metas e objetivos para sanar a situação sanitária lastimável no I Congresso Nacional de Saúde, cuja principal diretriz era a atenção prioritária de serviço médico na zona rural, onde residia 80% da população, sem prejudicar as regiões urbanas.

Após quase duas décadas de esforço para enviar periodicamente mutirões de profissionais médicos às áreas mais remotas do país de proporções continentais, em 1968 (em meio à Grande Revolução Cultural Proletária) o Presidente Mao conclama no órgão de imprensa Bandeira Vermelha a criação de cursos populares formativos na práxis médica. Tendo em vista o pouco progresso adquirido com as políticas empregadas anteriormente, a nova formação focava na atenção primária à saúde e controle de epidemias, cujos participantes futuramente seriam conhecidos como “Médicos de pés descalços”. A etimologia deste apelido remete justamente ao caráter de classe daqueles que ingressavam em tais atividades: camponeses pobres.

A formação do médico de pés descalços iniciava após o término dos estudos de grau secundário e durava cerca de quatro anos. Os alunos moravam perto da clínica onde eram ministradas as aulas, e retornavam em tempos de safra e colheita para suas vilas, comunas e cooperativas agrícolas. Além de noções acerca de processos de saneamento, o futuro médico camponês recebia também aulas de fisiologia, anatomia, patologia e microbiologia, assim como aprendia técnicas de exames de rotina e identificação/controle de doenças transmissíveis.

Outro aspecto sedimentado pelo curso era a conciliação de crenças da população com os tratamentos convencionais, como a prática da acupuntura, sendo estes métodos usados apenas como paliativos e ornamentos aliados ao tratamento clássico. Era requisitado inclusive dos futuros médicos o conhecimento farmacológico das ações bioquímicas de ervas comumente usadas pelo povo chinês. Posteriormente, os estudantes dedicavam-se ao estudo dos espectros patológicos de cada órgão e sistema, além de aprenderem noções de obstetrícia, planejamento familiar e praticarem vacinação e compostagem agrícola.

A formação de um exército de quase meio milhão de médicos de pés descalços na década de 1970, assim como o emprego de medidas sanitaristas contundentes e eficazes, foi responsável por mais uma revolução em território chinês, paralela à Grande Revolução Cultural Proletária (1966-1976): a mortalidade infantil havia caído para 18,6 óbitos a cada 1.000 nascimentos; a expectativa de vida, em 1935, de 29 anos, saltou para os 70 anos, na década de 1980.

Infelizmente, grande parte dos avanços na área de Atenção Primária à Saúde foi eliminada após a introdução das reformas liberais de Teng Siao-ping na década de 1980, após seu golpe de Estado sustentado pelo encarceramento ou execução sumária dos partidários da linha revolucionária dentro do Partido Comunista da China, como a dirigente Chiang Ching. Extinguindo as cooperativas agrícolas e comunas populares (presentes em 90% das vilas na década de 1960 e em 5% delas em 1985), muitos vilarejos perdiam a capacidade de remunerar os médicos camponeses, os quais perderam gradativamente seu papel decisivo na saúde pública chinesa, concomitante à progressiva privatização do Sistema Público de Saúde do país.

A Medicina nas Guerras Populares

A revolta de Naxalbari e a guerra popular na Índia, hoje dirigida pelo Partido Comunista da Índia (Maoista) marcaram um importante avanço dos movimentos de inspiração marxistas-leninistas-maoistas e foram responsáveis pelo aprofundamento das práticas médicas e sanitárias pioneiras inauguradas pelos revolucionários chineses.

Antes de compreendermos como a saúde era (e é) gerida nesses movimentos revolucionários, é necessário entendermos as análises realizadas pelo Partido Comunista da Índia (Maoista).

O PCI (Maoista), por considerar que na Índia existe um capitalismo de tipo burocrático com subjacentes relações semifeudais e cuja revolução democrática só pode ser realizada sob a direção do proletariado, centra suas atividades revolucionárias para unir-se aos camponeses e, no campo, por meio de seu Exército Guerrilheiro Popular de Libertação cria, gradativamente, novo Poder nas áreas libertadas, após expulsar dali as forças policiais e militares do velho Estado. É nesse contexto que são retomadas e aprimoradas as práticas dos “médicos de pés descalços” chineses.

A partir dos Conselhos Populares, são tomadas as principais diretrizes que norteiam a execução das tarefas necessárias para uma gestão independente e verdadeiramente classista das vilas e vilarejos em que o PCI (Maoista) recebe apoio. Uma campanha notória realizada pelo PCI (Maoista) foi a de prevenção à contração de cólera, moléstia infecciosa grave extremamente comum na área rural do território indiano, a qual sofreu significativa redução após a intervenção dos maoistas. Aulas públicas de epidemiologia e infectologia básica foram montadas, com distribuição de panfletos  identificando focos de contaminação na água.

A LCP no Brasil

A influência do pioneirismo chinês atinge o Brasil ainda hoje com o trabalho da Liga dos Camponeses Pobres (LCP). A LCP é o movimento camponês combativo que, farto do oportunismo dos dirigentes do MST e outras organizações, mobiliza os camponeses para tomar e cortar a terra, distribuí-la às famílias e produzir, sem nutrir ilusões com o velho Estado burguês-latifundiário e suas instituições. Com a terra distribuida às famílias, promove-se a formação de assembleias populares nas quais os camponeses administram a área.

Considerando a marginalização sofrida pelos camponeses, surgem dois organismos com papel decisivo na resolução de problemas de saúde enfrentados pelo campesinato: o Socorro Popular (SP) e o Movimento Feminino Popular (MFP). O SP é responsável por planejar e executar o atendimento médico básico e preventivo às famílias de camponeses, ao passo que o MFP, cujo propósito é a politização das mulheres do campo e da cidade, presta também ajuda em questões relacionadas à saúde mental, não só das ativistas, mas também de todos aqueles envolvidos com a LCP.

O legado construído pelos revolucionários chineses pulsa diariamente nas veias abertas do campesinato brasileiro e indiano, na medida que estes constroem formas eficazes de promoção da saúde no campo, inspirados pelos heróis da revolução dirigida pelo Presidente Mao Tsetung, Chiang Ching e outros dirigentes proletários.

É um dever moral dos estudantes e profissionais progressistas da área da saúde não só propagandear e levantar o estandarte da Medicina Popular, mas também estudar e aplicar as lições adquiridas por estes movimentos classistas de forma contundente na prática médica.


* Graduando na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP).

Referências:

Horn, J. S. Medicina para Milhões: A experiência Chinesa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979.

Revolutionary, Health, Hunam Committee. A Bare Foot Doctor’s Manual.: Londres: Routledge & Kegan Paul, 1978.

Taylor, Kim. Chinese Medicine in Early Communist China, 1945-1963. EUA: 2004.

Zhang D.; Unschuld P.U. China’s barefoot doctor: past, present, and future. Lancet. 2008.

Weiyuan C. China’s village doctors take great strides. Bull World Health Organ. 2008.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin