MS: Em meio a ataques, indígenas concluem: avançar as retomadas é a solução!

Em convergência com a crise geral do capitalismo burocrático em nosso país, causa direta da crise política e moral que mantém na gerência do velho Estado um cadáver político insepulto, os povos indígenas, juntamente com camponeses pobres e quilombolas, veem seus direitos ao território tradicional desmoronarem ante a farsa do Estado Democrático de Direito. Do já desonroso número de 600 mil hectares demarcados pela gerência Dilma/PT, a gestão de Temer/PMDB, além de não demarcar nenhuma Terra Indígena sequer, assume papel principal na sanha de espoliar os já parcos direitos dos povos originários.

Velho Estado contra os povos indígenas

Os povos indígenas resistem a toda sorte de ataques jurídicos, juntamente com uma avalanche de PECs, PLs e contrarreformas promovidas pelos três podres poderes, que estão alinhados para salvaguardar o falido Estado brasileiro.

Em julho do ano passado foi aprovado o Parecer 01/2017 da Advocacia-Geral da União (AGU), que buscou aplicar em toda administração federal a famigerada tese do “marco temporal”, que restringiria o direito dos povos somente às terras que estes habitavam em 5 de outubro de 1988, data da promulgação da atual Constituição. Tal parecer foi protocolado um dia antes da votação que livrou Temer da cassação.

O “marco temporal” que, a propósito, foi rejeitado em julgamento no Superior Tribunal Federal (STF) no dia 8 de fevereiro deste ano, após dezenas de manifestações, ocupações e cortes de rodovias em Brasília e nas diversas áreas indígenas espalhadas pelo país.

Longe de coincidência, tal ato representa um flagrante do que já é sabido por todos e todas: a escória parlamentar, vanguardeada pela chamada “bancada ruralista”, salvou a atual gerência em troca de uma antiga reivindicação. Tal bancada, verdadeiro comitê central do latifúndio brasileiro, terá agora direito de “usar e abusar” dos territórios tradicionais, além de paralisar o processo de demarcação de 704 Terras Indígenas. As diferentes nações indígenas resistem, assim, em busca de manter suas culturas, seus modos de vida e produção.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin