China: Jovens maoistas resistem à perseguição política

Ativistas e militantes maoistas organizaram quatro protestos em praças públicas da cidade de Zhengzhou, capital da província de Henan, contra a perseguição ao jovem maoista Zhang Yunfan. Os protestos ocorreram nos dias 3, 11, 19 e 24 de fevereiro e foram divulgados no fim do mês, em uma rede social.

Os ativistas levantaram uma faixa com a palavra de ordem Perseguir jovens avançados é oposto ao pensamento mao tsetung e ao socialismo!. A polícia fascista do regime revisionista logo atacou o protesto, tentando dispersá-lo.

As informações foram veiculadas por uma página, em uma rede social, criada para divulgar a campanha que denuncia a perseguição aos maoistas. A campanha afirma que, além do jovem Yunfan, outros jovens estão sendo perseguidos e intimidados por estudarem obras marxistas e maoistas.

‘Prefiro morrer do que me arrepender’

“Mais de 67 policiais derrubaram a minha porta no dia 5 de dezembro de 2017 e imediatamente me detiveram na cama, como se eu fosse um criminoso extremamente perigoso.”, denuncia Zheng Yongming, um dos jovens estudiosos do pensamento mao tsetung, em artigo publicado na página da campanha, no dia 17 de janeiro.

“A polícia disse que eu era o ‘mentor intelectual’. Eu realmente sou mentor intelectual: mentor da propaganda do pensamento mao tsetung para ajudar os oprimidos. Prefiro morrer do que me arrepender.”, concluiu Yongming.

Outra ativista perseguida é a jovem Yugong Yushan. “Eu não estava presente na sessão de leitura em que Yunfan foi retirado, mas não fiquei surpresa por ter que me esconder. Num lugar onde ler é o mesmo que ‘reunir multidões e perturbar a ordem social’ e onde o marxismo e o pensamento mao tsetung são ‘extremismos’, se eu não estivesse clandestina, isso significaria que eu não sou uma jovem de esquerda!”, relatou a jovem, no dia 24 de janeiro, em artigo publicado na mesma página.

“Não vou me arrepender por defender o pensamento mao tsetung.”, concluiu.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro