Chile: Passagens aumentam e massas protestam

O governo chileno, gerenciado por Michelle Bachelet, aumentou as passagens dos ônibus e metrôs, no dia 16 de fevereiro. A gerente não justificou de nenhuma maneira sua medida contra o povo, que respondeu organizando protestos. A partir desse dia, manifestantes passaram a protestar dentro das estações, inclusive realizando sabotagem nas catracas e incentivando a população a pulá-las.

Ferp
Estudantes e ativistas do Comitê contra o aumento abrem catraca para população, março de 2018 (foto: Ferp)
Estudantes e ativistas do Comitê contra o aumento abrem catraca para população, março de 2018

No dia seguinte a promulgação do decreto, ocorreu um protesto na estação de metrô de Baquedano, em Santiago, capital do país. Exibindo cartazes que acusavam o monopólio nos transportes e a gerente Bachelet de “ladrões”, os manifestantes gritavam palavras de ordem e exigiam a revogação do aumento.

Já no dia 01/03, foi realizada uma massiva ocupação da estação de metrô Elisa Correa, no centro de Santiago, convocada pelo Comitê contra o aumento.

Em nota emitida no dia 28/02, a Frente de Estudantes Revolucionária e Popular (Ferp) frisou que “se a passagem subir, junto com ela se levantará o povo, os motoristas e os passageiros”.

Os estudantes revolucionários destacam ainda na nota que os sucessivos aumentos só servem aos monopólios, que negam transporte digno à população, ofertando ônibus precários para alcançar o lucro máximo.

A Ferp convoca o povo chileno a se levantar contra mais esse assalto aos trabalhadores. “É por isso que chamamos o povo a se organizar e lutar contra esse novo aumento da passagem e pelo direito a um transporte decente”. “Vamos acabar com esse roubo disfarçado do velho Estado e conquistar os direitos do povo!”, exortam os estudantes.

Atendendo as benesses dos empresários do transporte, cerca de cinco empresas que monopolizam o serviço foram favorecidas com essa medida. Diante de um cenário de crise, o encarecimento da passagem e do custo de vida em geral só dificulta a locomoção do povo para realizar suas atividades cotidianas.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro