Arte consciente nos trens da Central

Nascido e criado no bairro de Olinda, em Nilópolis, região metropolitana do Rio de Janeiro, o rapper e poeta popular Saulo Afide se expressa através da sua arte nos trens da Supervia, em ramais que transportam milhares de pessoas diariamente pela periferia carioca e grande Rio. Guerreiro e determinado, Saulo conseguiu gravar um disco e vários vídeos até o momento, e hoje pode afirmar com orgulho que sobrevive da sua arte.

Banco de dados AND
Saulo Afide, na Bienal do livro, RJ
Saulo Afide, na Bienal do livro, RJ

— Sou rapper, trabalho com ritmo, poesia e tenho levado isso para os transportes públicos, principalmente o trem, recitando as minhas letras aos passageiros, juntamente com meus amigos. Levo poesia do cotidiano, da vivência do Brasil, da vida, compartilhando com a sociedade letras críticas a política, entre outras realidades que abrangem toda a sociedade – conta Saulo.

— Minha intenção é tratar da realidade com poesia viva, cantar e transmitir através do rap, do hip hop, minha vivência e o mundo que observo. Fora esse trabalho nos trens tenho outros trabalhos autorais na internet, poesias em alguns canais, músicas, videoclipes e participo de eventos (às vezes cantando e outras só recitando) rodas culturais, batalhas de Mcs e slams, que são batalhas de poesia – explica.

O poetry slam ou apenas slam surgiu no USA na década de 1980, mas apenas se difundiu pelo Brasil a partir dos anos 2000.

— Me identifico com o trabalho que faço, é o que realmente tenho satisfação em realizar, me sinto vocacionado a me expressar através da arte, da música, e acredito que essas mensagens são choques de realidade que fazem diferença na vida das pessoas. É importante compartilhar, alertar, provocar as pessoas para que possam despertar para a realidade a sua volta.

As apresentações de Saulo são feitas de acordo com as circunstâncias do momento em que vive.

— Já trabalhei muito tempo sozinho, com uma caixinha, um microfone e uma batida, muitas vezes fazendo rimas de improviso, e também recitando poesia autoral em cima da batida, outras vezes a capella, sem instrumental. Ultimamente tenho trabalhado em dupla, com amigos de coletivos poéticos, e a capella – relata.

— A maior parte das vezes trabalho o rap, mas também não limito e se encontro um amigo que toca violão então canto algumas música da MPB, as mais populares, e também arranho alguma coisa de um violãozinho. E é isso, o importante é levar a arte até as pessoas e musicalmente, poeticamente passar uma mensagem – afirma.

Ferramentas de expressão do povo 

— Sou nascido e criado no bairro de Olinda, Nilópolis, e moro aqui até hoje. Cresci ouvindo samba e MPB, meu pai, Adilson Vieira Salgado, é compositor e sempre escreveu para escola de samba, participou de vários concursos de samba-enredo na Beija-Flor, como compositor e também como intérprete – conta.

— Minha família sempre foi muito festeira, sempre gostou muito de música, então aprendi a amar música desde cedo. Por volta dos nove anos de idade comecei a ouvir rock, e já ia em estúdios, porque meus primos tinham uma banda de rock e eu os acompanhava – recorda.

— O rap eu conheci em 1998, com 10 anos de idade, quando ouvi o CD do Gabriel o Pensador, “Quebra-Cabeça” [lançado em 1997]. Em 2005 comecei a fazer rimas de improviso em rodas de ruas e dali em diante me envolvi cada vez mais, só que no decorrer disso eu tive compromisso com estudos e outras responsabilidades e precisei deixar meio de lado.

— Mas, em 2015 voltei  realmente com vontade de viver da arte, e daí em diante passei a me dedicar com afinco e exclusivamente para levar a poesia, o rap como compromisso total na minha vida. Abandonei o trabalho formal e fui a luta atrás dos meus sonhos e objetivos – diz.

Com muito sacrifício e força de vontade Saulo conseguiu gravar em 2016 o álbum Faz parte do meu flow.

— As letras são de minha autoria, exceto na faixa seis, que se chama Gata vem cá, que tem a participação do meu amigo MC Magnata, a parte que ele canta é dele. As sete demais são todas minhas. O disco foi feito de forma independente, pago com sacrifício, na época eu ainda estava empregado e consegui fazer o pagamento parcelado.

— Saiu caro, desde a compra dos instrumentais ao pagamento de estúdio, mas valeu a pena. Agora as coisas começaram a melhorar, porque fui conhecendo pessoas que gostaram do meu trabalho e apostaram em mim, me abriram portas, algumas estão investindo em mim com produção audiovisual, e estou com mais facilidade para gravar – fala.

Saulo começou a compor desde criança e sua inspiração se dá de diferentes formas.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin