Protestos por direitos trabalhistas

Servidores públicos das área de saúde e educação realizaram protestos durante os dias 27 e 28 de fevereiro. Apesar das particularidades de cada região onde as manifestações ocorreram, a pauta era a mesma: melhora das condições de trabalho.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Em Cruzeiro do Sul, Acre, agentes de combate à dengue protestaram em frente à prefeitura contra o atraso no pagamento de salários e exigiam o fornecimento de proteção individual e a criação de um plano de cargos e carreiras. De acordo com os manifestantes, os servidores prestaram concurso para exercer o cargo há 11 anos e ainda não tinham um enquadramento definido. Desde o ano passado que as queixas foram prestadas e a prefeitura não tomava um posicionamento.

Em Uberlândia, Minas Gerais, servidores da Superintendência Regional de Saúde (SRS) convocaram greve. A categoria reivindicou o reajuste nos salários e na carga semanal de trabalho. Também houve paralisação em algumas escolas estaduais devido à adesão dos trabalhadores em educação ao movimento. Os professores da região afirmam não terem recebido o reajuste de 2018 e 2017, que foi pago somente à Polícia Militar.

Já em Canaã dos Carajás, sudoeste do Pará, o Tribunal de Justiça do Estado determinou a suspensão do movimento grevista, que teve início no dia 20/02. Os servidores haviam paralisado as atividades há quase dez dias, reivindicando o reajuste salarial acumulado de 2015 à 2017.

Por fim, em Curitiba, manifestantes denunciaram o descaso com a educação pública durante cerimônia para divulgar programa escolar de Beto Richa/PSDB. Segurando faixas e cartazes, protestaram contra o fechamento de turmas, turnos e escolas. O projeto em questão pretende ampliar o uso de recursos tecnológicos nas escolas públicas do estado. Porém, de acordo com os manifestantes, o governo vem desmontando a organização escolar, reduzindo o salário de professores temporários. Além disso, os educadores também estão há dois anos sem receber o reajuste salarial de acordo com a inflação.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza