A intervenção militar fracassará

A- A A+
 

Charge: Vini Oliveira

Em pronunciamento realizado no dia 27 de fevereiro passado, o general Walter Sousa Braga Netto afirmou, segundo o portal G1, que o "objetivo da intervenção federal é 'recuperar a credibilidade' da segurança pública no estado". Afirmou ainda que o "Rio de Janeiro é um laboratório para o Brasil", dando a entender que o Rio funcionará como tal para possíveis intervenções em outros estados da federação.

As Forças Armadas são a organização política da grande burguesia, do latifúndio e serviçais do imperialismo, cuja tarefa é manter o sistema de exploração

As Forças Armadas (FF.AA.), como coluna vertebral do Estado brasileiro e organização política da grande burguesia e do latifúndio serviçais do imperialismo, principalmente ianque, serve para assegurar a manutenção deste sistema de exploração e opressão das massas trabalhadoras e a subjugação da Nação. Dado isso e o seu caráter de classe, a missão assumida pelo general está fadada ao mais completo fracasso.

Historicamente as intervenções das FF.AA. têm deixado inauditas "pacificações", após as quais restaram rios de sangue e a paz dos cemitérios. Basta observar a Guerra do Paraguai, atuando como serviçal do colonialismo inglês; as intervenções de Canudos, Contestado, Trombas e Formoso, todas na era republicana e transformadas em guerra contra o povo pobre; enfim, sua história só demonstra seus laços de classe com o latifúndio, a grande burguesia e seu serviço ao imperialismo.

Tirando este aspecto histórico sistêmico e continuado, o objetivo estabelecido pelo general de recuperar a credibilidade da segurança pública do Rio de Janeiro reveste-se de uma grande falácia por tratar o efeito pela causa e não levar em conta, dentre outros, os seguintes aspectos:

1º. A intervenção federal na segurança do Rio de Janeiro, isto é, intervenção militar, acontece num momento de profunda crise econômica, política, social e moral que atinge a todas as instituições do velho Estado, numa crise geral de credibilidade.

2º. Que a crise econômica, base material de toda situação atual, é crise geral de decomposição do capitalismo burocrático vigente no país e resultante da condição semicolonial e semifeudal, dentro da profunda crise mundial do imperialismo, caracterizando-se, também, como crise de dominação sobre o povo e da subjugação nacional.

3º. O estado do Rio de Janeiro tornou-se para o Brasil e para o mundo a vitrine desta mazela nacional.

Historicamente, as intervenções das Forças Armadas são seguidas de rios de sangue e paz de cemitérios. Sua história demonstra seus laços com as classes dominantes

4º. Um governador desacreditado e que, publicamente, abdicou do gerenciamento, reconhecendo a sua falência não só quanto à segurança pública como dos demais setores da administração.

5º. Uma polícia possui um grau superlativo de envolvimento com o tráfico e com milícias, estas, quase sempre compostas de policiais militares (da ativa ou reformados).

6º. A crise da segurança pública está condicionada pela crise econômica representada pela falência da administração do estado, que é parte do velho Estado brasileiro em decomposição. Condicionada também pela crise política, caracterizada pelo desgoverno em todos os setores da administração; pela crise social, que impôs o desemprego generalizado no país e, especialmente, no Rio de Janeiro; e pela crise moral, revelada pela desbragada corrupção do escalão superior da administração passada, envolvendo o governador, seus principais auxiliares e assessores, o legislativo, na figura do seu presidente e subordinados e pelo Tribunal de Contas, envolvendo quase todo o conselho.

Assim, pelos objetivos anunciados e operativos já em curso com ocupações das favelas, o decreto federal na segurança pública do Rio de Janeiro, resultando na intervenção militar, é tão somente a ampliação e intensificação da guerra civil reacionária contra os pobres que este velho Estado tem aplicado de modo inalterado.

O povo saberá se organizar e empreender sua justa rebelião, apesar da desigualdade de meios e dos sacrifícios necessários

Cercar favelas e cadastrar os seus moradores para causar uma sensação de segurança é a revelação mais crua da total falência do enaltecido "Estado democrático de direito" e do avançado estágio de decomposição do velho Estado brasileiro. É também confissão descarada da sua natureza opressora e repressora do povo para manter este caduco sistema de exploração. Diante da inevitável reação da fúria popular contra a ampliação dos assassinatos e massacres de seus filhos, principalmente jovens (como ocorrido recentemente na favela do Salgueiro, em São Gonçalo), o comandante do Exército antecipou-se em declarar cinicamente que não se venha com "Comissões da Verdade", confessando assim a planificação da guerra contra o povo e seu plano de assegurar imunidade jurídica às tropas em seus atos de genocídio.

Porém, o que está em questão sob a aparência de "crise de segurança pública" e "poder do crime organizado" é a crise geral do vigente sistema de exploração e opressão. Por esta razão, a intervenção militar em curso, anunciada com bravatas de generais e apoiada e publicizada à exaustão pelos monopólios de imprensa e comunicação, terá rotundo fracasso. Os planificadores sabem disto, pois seu objetivo com ela é ensaiar e preparar o futuro golpe de Estado contra a inevitável insurgência revolucionária popular.

Todavia, tal como os mandantes e executores desta intervenção estão cientes dos crimes que irão cometer contra o nosso povo trabalhador, este saberá, apesar da desigualdade de meios e ingentes sacrifícios necessários, organizar e empreender à altura sua justa rebelião.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja