PA: Munduruku e ribeirinhos contra hidrelétricas

A- A A+

Os munduruku e as comunidades ribeirinhas têm realizado uma série de manifestações contra o projeto de construção de hidrelétricas ao longo do rio Cupari, no município de Rurópolis, Pará.

Banco de dados AND
http://anovademocracia.com.br/207/10a.jpg
Indígenas denunciam ofensiva do velho Estado contra o Rio Pariri

A empresa Cienge, com o aval da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas), busca construir quatro “Pequenas Centrais Hidrelétricas” (PCHs), além de subestações e linhas de transmissão, integrando o “Complexo Cupari Braço Leste”.

“A Semas tem nome de Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade, mas só serve mesmo para liberar licença para acabar com o nosso rio e nossa floresta”, denunciou em nota a Associação Indígena Pariri, que reúne os munduruku da região do Médio Tapajós.

O Ministério Público Federal (MPF) recomendou a suspensão do licenciamento ambiental do complexo hidrelétrico devido ao não cumprimento da consulta livre, prévia e informada junto às comunidades afetadas e da insuficiência dos estados de impactos ambientais.

A Associação Indígena Pariri desmentiu, em nota, a versão veiculada pela Cienge, em conluio com o gerenciamento estadual de Simão Jatene/PSDB, de que as PCHs “não causam impactos importantes”. Segundo a Associação, o complexo hidrelétrico vai “desmatar as florestas, vai transformar o rio em lago, vai poluir as águas e o ar. Os bichos vão sofrer e nós também vamos sentir os impactos. Só quem vai se beneficiar com isso são outras obras, como as grandes hidrelétricas, a mineração ou portos, já que é para isso que essas PCHs são feitas”.

Além dos munduruku, as hidrelétricas podem vir a afetar o modo de vida das comunidades ribeirinhas de Mangabal, Montanha, Pimentel e São Francisco. “Se barrarem o rio Cupari, logo vão querer transformar o [rio] Tapajós em lago e trazer mineradora e mais portos, grandes hidrelétricas, ferrovias, hidrovias ou qualquer projeto que possa destruir nossa terra, nosso rio e nosso modo de vida.”, frisou a Associação Indígena Pariri.

Os munduruku exigem o fim de todos esses projetos que afetam o seu modo de vida em seu território tradicional. “Esses rios são como as veias dos nossos corpos e não vamos deixar que vocês impeçam que suas águas corram livres”, afirma a Associação Indígena Pariri.

Na região dos Tapajós existe um conjunto de projetos que visa ampliar a infraestrutura de transporte e transmissão de energia para beneficiar os monopólios (nativos e estrangeiros), visando facilitar a exportação de matérias-primas, principalmente agrícolas e minerais. Vinte novos portos podem ser construídos na região que atualmente conta com seis.

Endereços


Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
CEP: 20.921-060
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait