A brilhante vida e obra de um materialista

Stephen Hawking: opus aeternum*

Stephen Hawking, físico britânico mundialmente conhecido, faleceu no dia 14 de março deste ano. Sua morte foi muito divulgada pelo monopólio dos meios de comunicação. A maioria dessas matérias abordavam os trabalhos científicos de Hawking e aspectos de sua vida pessoal, poucas foram as que abordaram os ideais políticos e filosóficos do grande cientista.

Ian Waldie
Stephen Hawking lendo o nome das vítimas da guerra imperialista no Iraque. Londres, 2004
Stephen Hawking lendo o nome das vítimas da guerra imperialista no Iraque. Londres, 2004

Hawking nasceu em 8 de janeiro de 1942 em Oxford, Inglaterra. Concluiu o doutorado na Universidade de Cambridge em 1966 com uma tese intitulada Propriedades dos universos em expansão. De 1979 a 2009 ocupou a cátedra de professor de Matemática na Universidade de Cambridge, que pertenceu a Isaac Newton.

A maioria de seus trabalhos versava sobre cosmologia teórica e gravidade quântica (unificação da mecânica quântica com a teoria da relatividade geral). Desenvolveu teorias buscando solucionar os principais problemas da teoria do Big Bang para o início do Universo. Dedicou-se também ao estudo dos buracos negros e propôs, em parceria com James Bardeen e Brandon Carter, as quatro leis da mecânica de buraco negro, uma analogia com as quatro leis da termodinâmica. Realizou cálculos em que demonstrou que os buracos negros deveriam, termicamente, criar ou emitir partículas subatômicas, o que ficou conhecido como radiação Hawking.

O cientista britânico também se preocupou em popularizar a ciência se esforçando em tornar acessível para o público em geral os complexos conceitos da cosmologia. Escreveu vários livros, dentre os quais se destaca Uma breve história do tempo, de 1988, traduzido para 35 idiomas e com mais de 10 milhões de cópias vendidas. Nesta obra, Hawking respondia a perguntas básicas sobre o início, desenvolvimento e fim do Universo. Além disso, escreveu juntamente com sua filha Lucy, a coleção de livros infantis George e a chave secreta em que contam histórias de aventura e ciência.

Em toda a sua produção intelectual, Stephen Hawking pautou a elucidação dos mistérios do Universo e o combate ao misticismo e ao criacionismo. Dizia não haver nenhum aspecto da realidade fora do alcance da mente humana. Numa entrevista, comparou a ciência e a religião nos seguintes termos: “Há uma diferença fundamental entre a religião, que se baseia na autoridade, e a ciência, que se baseia na observação e na razão. A ciência vai ganhar porque ela funciona. A religião crê nos milagres, mas estes não são compatíveis com a ciência”. E mais adiante dizia: “Deus não tem mais lugar nas teorias sobre a criação do Universo devido a uma série de avanços no campo da Física”.

Hawking foi um homem integrado ao seu tempo e era extremamente politizado. Na juventude participou das jornadas dos jovens britânicos contra a Guerra do Vietnã. Era um ferrenho opositor da guerra imperialista no Iraque.Em 2004, participou do protesto na Trafalgar Square em Londres e em seu discurso disse ao público:“Esta guerra [do Iraque] tem como base duas mentiras. A primeira é que estávamos em perigo pelas armas de destruição em massa, e a segunda é que o Iraque tenha sido o culpado do 11 de setembro”. Neste mesmo ato, Hawking leu o nome das pessoas mortas no conflito e classificou de crime de guerra a tragédia das famílias iraquianas. Em declarações recentes classificou de abominável a guerra na Síria.

Recusou o título de Sir oferecido pela rainha Elizabeth II por, dentre outras coisas, discordar das políticas internas e externas do Reino Unido. Suas críticas se concentravam principalmente contra o investimento em empreendimentos bélicos e à cessão ao lobby das corporações de armamentos.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro