O que o povo necessita e quer só a Revolução poderá dar

A- A A+
 

Já virou rotina. Todo ano eleitoral, tanto o Tribunal Superior Eleitoral quanto a Rede Globo encetam uma campanha publicitária chamando o povo a participar da farsa eleitoral.

Charge: Vini Oliveira

O fenômeno de rejeição à farsa eleitoral é o que há de novo na existência deste corrupto sistema político do velho Estado burocrático das carcomidas classes dominantes de grandes burgueses e latifundiários, serviçais do imperialismo, principalmente ianque. Estado esse mergulhado em profunda crise.

Não é mais novidade para ninguém que as eleições são financiadas por banqueiros, empreiteiros, latifundiários e empresas transnacionais que fazem parte deste capitalismo burocrático, garantidor das políticas de superexploração do nosso povo e de subjugação nacional, impostas pelo imperialismo.

Logicamente, o povo, ao cunhar o adágio “quem paga a banda, escolhe a música”, sabe para quem os “eleitos” irão prestar seus serviços.

A Globo em ação

Na qualidade de maior monopólio dos meios de comunicação e emérita defensora do “estado democrático da direita”, ancorado na farsa eleitoral, a Rede Globo bolou, para as eleições de 2018, a campanha “O Brasil que você quer para o futuro”.

Pelo visto, sua intenção é gerar uma pauta liberal para que os candidatos se comprometam com ela durante a campanha eleitoral e, ao mesmo tempo, conclamar o eleitorado e comprometê-lo com a realização de mais uma farsa eleitoral, tentando postergar o fim da velha ordem.

O monopólio da imprensa faz isso mesmo sabendo da história política e administrativa do país e seu capitalismo burocrático – com isso, atua como encobridor da corrupção endêmica. É sabido pelas massas e também pelo monopólio da imprensa que aqueles que afirmarão lutar pela melhoria da educação, serão os mesmos que roubarão a merenda escolar; aqueles que defendem o direito à saúde serão os mesmos que fraudarão as licitações para a compra de remédios e equipamentos hospitalares e, ainda, os que prometerão novas estradas ou ferrovias já têm o nome da empreiteira em sua algibeira. Sabendo de tudo isso, a Rede Globo põe no povo a responsabilidade de escolher os “melhores” programas e os “melhores” políticos. Pura hipocrisia.

Como os vídeos exibidos nos telejornais são editados e, portanto, escolhidos a dedo, tais editores devem estar tendo o maior trabalho para defenestrar os depoimentos que jorram em sua redação denunciando a hipocrisia global.

O que o povo quer

Se é que se pode extrair algo de positivo na campanha da Rede Globo, resta a sinceridade com que o povo tem exposto as mazelas da velha ordem. Ordem que a Globo defende com unhas e dentes, uma vez que a causa de tantas mazelas se deve à exploração do sistema financeiro, do latifúndio, do agronegócio, da remessa de lucros e do roubo descarado do petróleo e dos minérios, bem como da administração dos políticos bancados por tais grupos econômicos. Grupos que sustentam a Globo por meio da publicidade.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

O povo não pede nada além do que ele necessita e mais que merece. Como único produtor da riqueza do país, o povo tem o direito a tudo, sendo justas, portanto, as suas reivindicações e os meios para tais. Tal como são justas a ira e a rebelião contra seus exploradores que o submetem às piores condições de trabalho e vida.

 Só a revolução poderá dar

O que a maioria do povo já descobriu é que por meio desta farsa eleitoral apoiada pela Globo ele nunca alcançará a realização de seus anseios – daí o desespero dessa agência de lavagem cerebral e de todos os reacionários, tanto civis quanto militares.

Se o povo quer o direito à terra, só a Revolução Agrária entregará a ele  – contrariando a Globo, Band, Record e congêneres. Isso se realizará tomando os latifúndios e os dividindo para os camponeses pobres, sem terra ou com pouca terra, libertando as forças produtivas no campo das relações semifeudais impostas pelos latifundiários. O Novo Estado – o Estado de Nova Democracia – apoiará com crédito, equipamentos e assistência técnica o campesinato e, com isso, inverterá o fluxo campo-cidade para cidade-campo, aliviando o caos urbano resultante da existência de uma população desempregada e sobrante, principalmente de origem rural.

Se o povo quer trabalho e não esmola, a Revolução de Nova Democracia dará trabalho digno, cercado de todas as garantias e direitos conquistados universalmente pelos trabalhadores. O trabalho será garantido ao promover a nacionalização dos monopólios atuantes no país e submeter a condução da economia aos interesses do povo e da Nação, e não aos monopólios e à oligarquia financeira.

Por meio do confisco de todo grande capital e cancelamento da dívida pública, interna e externa, o Poder de Nova Democracia disporá de grande quantidade de recursos para, efetivamente, dar saúde, educação, infraestrutura, casa e lazer a todo o povo, promover e impulsionar a produção nacional, a tecnologia e a cultura nacional científica e de massas.

Do ponto de vista histórico, outros povos já viveram esta gloriosa experiência, embora sabotada pelos contrarrevolucionários, mas apenas transitoriamente, pois não existe nenhuma derrota definitiva para a classe operária e demais massas populares.

Ao desprezar a farsa que representa a via eleitoral – inclusive defendida pela falsa esquerda brasileira oportunista e eleitoreira – só resta ao povo a elevação de sua mobilização, politização e organização, compreendendo a necessidade do partido revolucionário do proletariado que conduza o processo, sem claudicar-se, até a vitória final.

Que os reacionários de todos os coturnos tremam diante desta ideia! Seus latidos não impedirão o surgimento da nova ordem, cujos clarões das labaredas de sua crescente revolta já prenunciam o novo dia.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja