Chile: Protestos tomam as ruas por ensino gratuito

A- A A+
 

Estudantes chilenos tomaram as ruas em massivo protesto contra a derrubada de uma lei judicial que proibia a atuação de empresas com fins lucrativos no ensino superior. Os protestos ocorreram nas principais vias de Santiago, Valparaíso e Concepción, no dia 19 de abril, integrando a Marcha Nacional pela Educação.

Rodrigo Garrido
Apoio ao líder mapuche conta com atuação de estudantes e ativistas (foto: Rodrigo Garrido)
Apoio ao líder mapuche conta com atuação de estudantes e ativistas

Na capital do país, Santiago, os manifestantes fecharam as vias com barricadas em chamas e, em resposta aos jatos d’água e gás lacrimogêneo lançados pelas forças da repressão, a juventude combatente respondeu arremessando pedras, lançando fogos de artifício e garrafas com tinta contra as tropas policiais.

O dia 19 de abril foi convocado pelos estudantes das mais diversas universidades do país como dia nacional para realizar a Marcha pela Educação, que agitou e mobilizou as massas estudantis para resistir frente aos ataques do governo semicolonial de Sebastian Piñera.

A lei que foi derrubada – motivo pelo qual os estudantes se rebelaram – estabelecia o alcance gradual da gratuidade no ensino superior público e proibia que as instituições privadas com fins lucrativos – verdadeiros monopólios que controlam a educação de qualidade – tivessem controle sobre os centros de formação técnica, universidades ou institutos profissionais. Esta medida promulgada pela oportunista Michelle Bachelet – que gerenciou o velho Estado chileno entre 2006 e 2010 e depois entre 2014 até 11 de março deste ano – foi conquistada após imensa rebelião estudantil ocorrida no ano de 2015.

Mapuche suspende greve de fome

O mapuche Celestino Córdova, preso desde o dia 13 de janeiro deste ano, suspendeu a greve de fome que mantinha há 102 dias no Chile. O objetivo da greve era que pudesse regressar a sua comunidade para participar de um ritual espiritual com duração de 48 horas. A exigência foi negada pelo governo de Sebastian Piñera. A greve foi suspensa após Celestino sofrer um duro golpe na cabeça ao ir no banheiro.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja