A labuta diária nas praias cariocas

No lugar pensado como democrático, no qual a maioria da população da cidade do Rio de Janeiro mais se diverte e se refresca, uma parte da população, na sua maioria negros e pobres, luta ferrenhamente para tirar seu sustento e encobrir a falta de oportunidades criada pelo sistema capitalista que vende a ideia de que todos têm igualdade de possibilidades de sobrevivência.

Júnior, que trabalha há 16 anos numa barraca na praia da Barra da Tijuca, conta um pouco da sua rotina.

Eles chegam às 7 horas da manhã na praia. Agora ele mora mais perto, mas antes, quando morava às bordas da avenida Brasil, em Bonsucesso, levava 1 hora e 30 minutos  e tinha que sair às 4 horas da manhã de casa. Ao chegar, eles carregam todo o material e montam a barraca, trabalham atendendo os clientes o dia todo, carregando os produtos na areia pesada. No final, recolhem tudo e desmontam a barraca. Não podem deixar na praia, pois correm o risco de perder a barraca e os produtos e serem multados pela prefeitura. O horário de saída é relacionado ao movimento. No verão ou feriado chegam a sair por volta da meia-noite, pois têm que aproveitar o movimento, afinal, não sabem o que ocorrerá no dia seguinte. Assim, nesta rotina diária, Júnior e sua esposa sustentam uma família de cinco pessoas.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Enquanto uma parte da população frequenta as praias cariocas, trabalhadoras e trabalhadores lutam diariamente pela sua sobrevivência e de suas famílias. Não existe crítica aos que estão na praia se divertindo, mas às circunstâncias da vida dessa parte da população, que sofre literalmente de sol a sol em condições precárias, tentando garantir seu sustento e se encaixar numa sociedade injusta. Isso sem falar nos ambulantes, que caminham de uma ponta a outra da praia, carregando um isopor pesado num sol de 40 graus e na areia quente. Muitos destes ainda são perseguidos pela guarda da Prefeitura Municipal por não serem “legalizados”, como se fosse ilegal lutar pela vida.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin