Invasão estrangeira no setor de cabotagem

Em um país semicolonial como o Brasil, a subjugação nacional pode compreender momentos de maior ou menor saqueio por parte do imperialismo. Na atual situação, o imperialismo exige, e os gerenciamentos de turno dão, tudo que tenha capital estatal ou nacional. O que se vê na indústria naval, por exemplo, é um setor em crise, que gerou demissões em massa nos últimos anos, e tenta resistir às políticas entreguistas que os gerentes do imperialismo impuseram nas últimas décadas.

Portal Logístico
http://anovademocracia.com.br/209/04a.jpgSede da ANTAQ em Brasília (foto: Portal Logístico)
Sede da ANTAQ em Brasília

Se traçarmos uma cronologia da desnacionalização desse setor, teremos que retroceder um pouco mais, provavelmente até o início da década de 1990, quando o capitalismo entrou em mais uma fase de espoliação sobre os países periféricos. No Brasil, o gerenciamento de Collor preparou e iniciou, e FHC ampliou a entrega do patrimônio nacional. Na navegação, o caso do Lloyd brasileiro é sintomático das trapaças feitas para sucatear o patrimônio público e, em seguida liquidá-lo (A esse respeito ver artigo O Lloyd resiste, de Luciano Ponce, em AND nº2).

Da abertura da economia no breve governo Collor, passando pela criminosa quebra do monopólio da exploração de petróleo patrocinada pelo gerenciamento FHC/PSDB, “o mais imoral e vende pátria de todos os tempos”, como bem lembrou a capa da edição nº 5 da AND, até a mais recente crise que implodiu a falaciosa política macroeconômica dos governos petistas, a indústria naval passou a sofrer verdadeiros ataques dos monopólios transnacionais que contam com a conivência da quadrilha que comanda o velho Estado brasileiro.

Posse estrangeira

E o setor da cabotagem teria que entrar na dança também. Responsável pelo transporte de mercadorias entre portos nacionais, é considerado, em qualquer lugar do mundo, um setor estratégico, que sofre forte regulação, além de ser intermediado por políticas de subsídios governamentais e reservas de mercado. Mas no Brasil acontece justamente o contrário. A Agência Nacional de Transportes Aquaviários (ANTAQ) não regula nem fiscaliza as empresas armadoras estrangeiras de navegação que atuam no país.

Devido à falta de incentivo governamental, o transporte de longo percurso (entre portos brasileiros e estrangeiros), que atende às empresas importadoras e exportadoras brasileiras está nas mãos de empresas internacionais, mesmo tendo nacionais habilitadas para fazer esse serviço. Essa concentração faz com o preço do serviço seja inflacionado e prejudique a economia do país. O frete Ásia-Brasil, por exemplo, é o mais caro do mundo.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin