Conceitos científicos do proletariado

Revolução de Nova Democracia - É a revolução nos países dominados pelo imperialismo nos quais se desenvolve um capitalismo burocrático, isto é, os países coloniais e semicoloniais, ambos caracterizados pela semifeudalidade. Foi o Presidente Mao Tsetung na direção do Partido Comunista da China e da Revolução Chinesa quem definiu que em países deste tipo, a revolução democrático-burguesa pendente só pode ser realizada como revolução democrático-burguesa de novo tipo. Isso porque, na época do imperialismo, a burguesia passou por completo para a reação e esta revolução só pode ser levada a cabo sob a direção do proletariado, e é a via inevitável para se passar ao socialismo nos países dominados.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Ela se difere das revoluções democráticas de velho tipo por ser obrigatoriamente dirigida pelo proletariado por meio de seu partido, o Partido Comunista. Apesar disso, tal como a revolução democrática de velho tipo, ela visa resolver a questão nacional e democrática, tendo em sua base o problema das relações de propriedade da terra altamente concentrada nas mãos da classe latifundiária, com a diferença de seguir ininterruptamente à revolução e construção socialistas. Ou seja, ela conclui-se fundamentalmente com a conquista do Poder em todo o país ao confiscar as terras dos latifundiários e entregá-las aos camponeses pobres sem terra ou com pouca terra e com o confisco do capital da grande burguesia burocrática-compradora e das corporações estrangeiras, varrendo a dominação imperialista.

Para realizá-la, o proletariado, por meio do Partido Comunista, deve unir-se aos camponeses, principalmente pobres (aliança operário-camponesa), pela conquista da terra e destruição do latifúndio mediante uma guerra camponesa, isto é, a guerra popular que se dá no campo e na cidade, sendo o campo principal. Para tanto, por meio dessa guerra, deve-se destruir parte por parte o velho Estado burocrático-latifundiário e estabelecer, em seu lugar, o Novo Poder da Frente Única, que além do proletariado e camponeses pobres incorpora a camada inferior dos camponeses médios, a pequena burguesia urbana e defende os interesses da burguesia genuinamente nacional (média burguesia). Setores desta que, em determinadas condições, também pode integrar a Frente Única. Entre estas classes e a dominação do imperialismo, da grande burguesia e do latifúndio existem agudas contradições que devem ser exploradas em benefício da revolução.

Os alvos da Revolução de Nova Democracia são, portanto, a semifeudalidade, o capitalismo burocrático e o imperialismo, as três montanhas da exploração do povo e da opressão da nação, como definiu o Presidente Mao.

Na época do imperialismo, a dominação imperialista sobre as colônias e semicolônias se exerce por meio do capitalismo burocrático e por intermédio da grande burguesia e dos latifundiários. Portanto, não se pode resolver os problemas nacional e agrário sem destruir o capitalismo burocrático e expropriar suas classes dominantes.

Após confiscar os monopólios da grande burguesia local e os latifundiários, desbaratando a dominação imperialista e entregando a terra aos camponeses, principalmente pobres (contemplando assim o clamor das classes revolucionárias envolvidas na revolução), o novo Poder revolucionário, o Estado de Nova Democracia como ditadura conjunta de classes revolucionárias sob hegemonia do proletariado – ou a Assembleia do Poder Popular, apoiada nos órgãos de poder das massas armadas – tem que passar de modo ininterrupto à revolução e construção socialistas, para desenvolver o país de maneira independente. Do contrário, se regressará ao capitalismo burocrático, com nova reestruturação da propriedade monopolista no campo e na cidade (como tendência inevitável do capitalismo) e se produzirá inevitavelmente a submissão às oligarquias financeiras, ao imperialismo, resultando em revolução inconclusa.

É por conta dessa necessidade de passar imediatamente ao socialismo que a burguesia genuinamente nacional não pode dirigir e realizar a revolução democrática hoje em dia.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro