Milhares de palestinos se rebelam contra usurpação de Jerusalém

Sionistas executam 60 e ferem mais de 2,7 mil pessoas, mas nada detém rebelião

Dezenas de milhares de palestinos cercaram as fronteiras do Estado sionista de Israel com a Faixa de Gaza e a Cisjordânia, entre os dias 14 e 15 de maio, para repudiar a instalação da embaixada da superpotência imperialista, Estados Unidos (USA), na cidade de Jerusalém, reivindicada pelos palestinos como capital de seu futuro Estado-nação. Os palestinos repudiam também os 70 anos da “Nakba” (em árabe, catástrofe) que foi a criação do Estado sionista, em 1948. Mais de 60 palestinos morreram e 2,7 mil ficaram feridos entre os dois dias.

Mahmud-Hams
Palestinos enterraram seus parentes e voltaram ao protesto. Faixa de Gaza, 15 de maio (foto: Mahmud-Hams)
Palestinos enterraram seus parentes e voltaram ao protesto. Faixa de Gaza, 15 de maio

Essa imensa multidão palestina protestou em vários pontos das fronteiras. Do lado de fora da nova embaixada, em Jerusalém, também houve violentos protestos e repressão. O monopólio da imprensa constatou que as explosões de revolta contaram com a participação de famílias inteiras, incluindo crianças, idosos e mulheres.

Nem mesmo a execução em massa impediu os protestos. No dia 15 – um dia após a inauguração da embaixada em Jerusalém – as famílias palestinas que tiveram parentes executados enterraram seus mortos e voltaram a protestar. A Organização para a Libertação da Palestina (OLP) anunciou uma greve geral nos territórios palestinos para esse dia, na Faixa de Gaza, segundo a agência Reuters.

Há protestos na fronteira desde o dia 30 de março, na chamada Grande Marcha do Retorno, que evocam o direito dos palestinos de retornarem para os locais de onde foram expulsos após 1948, pela criação do Estado de Israel e sua sistemática ocupação colonialista. Desde o início da Grande Marcha, mais de 100 palestinos foram executados pelas forças sionistas de Israel.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza