Chacina policial faz oito vítimas

Nos dias 18 e 19 de maio, militares do exército e policiais do Bope e do 19º Batalhão da PM fizeram uma megaoperação nas favelas Bateau Mouche, Caixa D’Água, Chacrinha, Mato Alto, Barão (José Operário), Covanca e Pendura-Saia, todas na região da Praça Seca, na Zona Oeste do Rio. Participam da ação 2,8 mil militares das Forças Armadas, 300 policiais militares e 240 policiais civis, com apoio de veículos blindados, aeronaves e equipamentos pesados de engenharia.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Na ação, ao menos oito pessoas morreram e a região foi sitiada pelo Exército, com apoio da polícia. Moradores ficaram ilhados em suas casas, muitas das quais foram invadidas e reviradas por militares. Até mesmo a autoestrada Grajaú-Jacarepaguá, que liga a zona norte à zona oeste, foi bloqueada pelas Forças Armadas em pleno final de semana com o argumento de que traficantes varejistas de drogas estariam fugindo para o Complexo do Lins. Nas redes sociais, moradores compartilharam um pouco dos momentos de angústia que viveram durante a ação criminosa das tropas do velho Estado.

“A gente já não aguenta mais essa guerra. A polícia ao invés de apartar a briga da milícia com o tráfico, chega aqui para matar mais gente, para deixar tudo mais difícil do que já está. Eles querem dar moral para a milícia enfraquecendo o tráfico e aí é o morador que fica no meio do tiroteio. Isso tem que acabar.”, protesta um morador da Covanca na página Jacarepaguá Notícias RJ.

Essa foi a 29ª chacina cometida pelo velho Estado nas favelas do Rio de Janeiro somente este ano e a sexta ação com mais de cinco mortos. No final de março, uma ação da Tropa de Choque no Morro da Rocinha também deixou ao menos oito pessoas mortas e, como noticiamos na última edição de AND, em uma operação na Cidade de Deus no dia 3 de maio, ao menos seis pessoas foram mortas pela polícia.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro