RS: Kaingang exigem demarcação

A- A A+
 

Centenas de kaingang da Terra Indígena (TI) Rio dos Índios realizaram uma manifestação em trecho da RS-150, no município de Vicente Dutra (RS), na manhã de 9 de maio. Os indígenas exigiam a finalização do processo demarcatório da TI Rio dos Índios, que depende do velho Estado pagar as benfeitorias dos ocupantes não indígenas, em sua maioria camponeses.

Ivan César Cima
Indígenas rechaçam marco temporal, decretado por Temer no fim de 2017 (foto: Ivan César Cima)
Indígenas rechaçam "marco temporal", decretado por Temer no fim de 2017

Durante a manifestação, os indígenas também exigiram a revogação do Parecer 001/2017 da Advocacia-Geral da União, que estabelece o “marco temporal” no processo de demarcação das terras indígenas.

“Reafirmamos que continuaremos nossa luta, que não aceitamos a tese do marco temporal, pois nossos povos são milenares, existem bem antes de 5 de outubro de 1988. Sempre lutamos e continuaremos lutando pela demarcação de nossos territórios.”, afirmaram em carta redigida pelas lideranças kaingang endereçada ao Ministério da Justiça, Fundação Nacional do Índio (Funai) e ao governo estadual de Beto Richa/PSDB.

Os kaingang reiteraram ainda a importância de os camponeses que receberam títulos do velho Estado para ocuparem a área serem indenizados.

“Se o Estado colocou eles aqui, então tem que assumir esse compromisso com os pequenos agricultores, e não colocar eles contra o direito do índio.”, afirmou o cacique Luís Salvador Kaingang.

A manifestação contou com a participação de integrantes das Terras Indígenas Irai, Kandóia, Serrinha, Rio da Várzea, Guarita e Goe Veso.

Ivan César Cima
http://anovademocracia.com.br/210/05b.jpg
Indígenas rechaçam "marco temporal", decretado por Temer no fim de 2017

No mesmo dia, os kaingang (com o apoio dos guarani) plantaram 4 mil mudas de araucária em área retomada do latifúndio em 2016, área que integra a TI Rio dos Índios. A área havia sido desmatada para a criação de gado bovino.

“Nossas terras foram todas desmatadas, e hoje os povos indígenas vêm plantar os pinheiros como prova de que queremos recuperar essas áreas. O pinhão era a base da alimentação do nosso povo. Queremos nossas terras para proteger, recuperar e viver de acordo com nossas tradições.”, frisou a liderança Isaías da Rosa Kaingang.

Desde 2004, os kaingang aguardam a desintrusão da terra indígena, que tem 715 hectares, enquanto 46 famílias totalizando 315 pessoas vivem confinados em apenas dois hectares de terra.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja