Editorial - Apoiar a greve dos caminhoneiros, preparar a greve geral!

A- A A+
 

A paralisação dos caminhoneiros escancarou a profundidade da crise geral do país em todos os sentidos. Além de estampar a fragilidade do modal rodoviário de transporte (que é resultante de um capitalismo burocrático baseado no atraso semifeudal embrulhado como moderno e submetido à dominação semicolonial imperialista), revela ainda a situação geral do país num plano inclinado. Plano inclinado que nenhuma solução de fachada ou suposta “eficiência gerencial” (como cacarejam os partidos políticos eleitoreiros e os monopólios de imprensa) pode inverter. Nem mesmo as bravatas moralistas e redentoras da milicada golpista lambe-botas do USA podem fazê-lo. O Brasil está estremecido e suas verdadeiras forças sãs passaram ao seu revolvimento. A partir de então, nada ficará onde esteve até agora.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

A grande adesão dos caminhoneiros não pode ser atribuída, como fazem os oportunistas eleitoreiros e o discurso oficial, a um simples locaute (greve patronal). É verdade que boa parte do movimento está dirigido por interesses empresariais (que têm inclusive maior acesso a canais de negociação e preferência no atendimento a suas demandas), mas o grande número de motoristas empregados destas mesmas empresas de transporte estão submetidos a condições absurdas de trabalho. Igualmente absurdo é o fato de que mais de 40% da frota de caminhões pertence a trabalhadores que investiram suas últimas economias na compra do veículo e esfalfam-se em condições desumanas de trabalho impostas pelas transportadoras e grandes contratadores de frete, que achatam os valores dos fretes e impõem prazos impraticáveis, impossibilitando a sobrevivência dos motoristas e a própria manutenção dos caminhões. Soma-se a isso a extorsiva cobrança de pedágio nas estradas.

Mesmo diante do desabastecimento de combustíveis e alimentos e do caos no transporte público, houve grande apoio popular à mobilização, e inclusive outras categorias aderiram à sua maneira aos protestos, como as vans, os taxistas e mototaxistas. Os petroleiros também deram indicação de greve, até o fechamento desta edição.

A gerência ilegítima do cadáver político Temer, que pareceu pega de surpresa pela dimensão do movimento e jogada contra a parede, se dividiu entre medidas temporárias de redução de impostos e do preço do diesel e negociações com representantes dos grandes empresários de transporte. Um primeiro acordo, chegou a ser divulgado no dia 24 de maio, mas os caminhoneiros autônomos rechaçaram encerrar a paralisação e forçaram novas negociações no fim de semana.

Talvez um ato mais planejado, e sob o manto rasgado do “acordo” feito com supostas lideranças dos caminhoneiros, foi o decreto de Garantia da Lei e da Ordem (GLO), que autorizou as Forças Armadas (FF.AA) a intervirem contra os trabalhadores em nome do “restabelecimento da ordem”, no dia 25. Tal decreto foi uma requisição direta do comando do exército. No pronunciamento dado para anunciar a autorização, Temer encheu a boca para soltar o velho cacarejo fascista de “minoria radical” entre os trabalhadores parados.

Seria esta “minoria radical”, por acaso, os milicos da extrema direita que pronunciam-se abertamente em nome das Forças Armadas chamando o movimento grevista a criar o máximo de caos até depor o governo com uma intervenção militar? Claro que não. Trata-se do velho bordão da reação para acusar os trabalhadores e os revolucionários. Esta extrema direita quer precipitar o golpe militar, mas os conspiradores dirigidos pelo USA querem primeiro gerar grande opinião pública a favor da ideia de que somente as Forças Armadas têm credibilidade para tirar o país deste plano inclinado.

Tropas das FF. AA. passaram a se movimentar em várias partes, dirigindo-se aos pontos de bloqueio, principalmente nas entradas de refinarias, para garantir a circulação dos caminhões-tanque, o que começou a ser feito no dia 28.

Nós estamos denunciando há várias edições a marcha de um golpe de Estado militar contrarrevolucionário preventivo contra a inevitável rebelião das massas a este sistema de exploração e opressão. Num cenário de caos nos transportes, desabastecimento geral e de a repressão não forçar o fim do movimento grevista, coloca-se, pelas circunstâncias, a possibilidade do desfecho do mesmo mais no imediato. No entanto, a tendência dos conspiradores é aguardar as eleições (que desde já apontam rotundo fracasso). Sobre essa perspectiva, basta observar que não há nem forças políticas partidárias e nem candidatos que possam representar um mínimo de credibilidade e capacidade para estabilizar o país. Esta falência potencializará a crise com maior fuga de capitais.

É preciso que os verdadeiros democratas e revolucionários apoiem decididamente a greve, defendendo o direito dos motoristas empregados, os autônomos e as pequenas e médias empresas contra os grandes grupos empresariais que querem usar os trabalhadores para tirar castanhas do fogo para eles. Estes grandes empresários do transporte historicamente estiveram ligados à reação e ao regime militar-fascista. Não se trata, portanto, de advogar qualquer recuo das mobilizações por temor a um golpe militar, algo tão ao gosto do oportunismo eleitoreiro que, ignorando sua própria parcela de culpa na atual situação nacional, joga tudo na aposta da próxima farsa eleitoral, de onde nada de bom pode vir para o povo.

Para os verdadeiros democratas e revolucionários, se impõe o dever de defender os interesses dos trabalhadores nesta greve, mobilizar e ampliar o apoio popular na direção de construir a greve geral de todos trabalhadores e trabalhadoras no país, contra as “reformas” que suprimiram e pisoteiam direitos históricos duramente conquistados. Para tanto, trata-se de politizar as massas para resistir e opor a justa rebelião popular ao golpe de Estado militar contrarrevolucionário em curso.

Nem golpe militar, nem farsa eleitoral. Só a revolução democrática pode libertar o povo e a nação do caos, da miséria e da rapina imperialista.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja