Nicarágua: Profunda crise abala regime de Ortega

Protestos intensificam-se e sobe o número de mortos

Passados mais de 60 dias do inícios de protestos contra as reformas antipovo de Daniel Ortega na Nicarágua, chega a 139 o número de mortos pela sangrenta repressão imposta pelo velho Estado combinada com a ação de grupos paramilitares ligados aos sandinistas. Por outro lado, entre esse número, há vítimas da ação de grupos de extrema direita manejados pelo imperialismo para desestabilizar o regime. São mais de mil e duzentos mortos e um número incerto de agentes da repressão mortos.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

A justa rebelião popular se iniciou em 18 de abril, contra uma “reforma” do sistema previdenciário acordada entre o governo e a grande burguesia do país. O projeto previa o aumento nas contribuições para a previdência, o aumento da idade mínima para aposentadoria e outras medidas extremamente prejudiciais ao povo.

Mesmo com o governo revogando a contrarreforma e convocando outros setores para negociar, não houve acordo e os protestos prosseguiram, tanto contra quanto a favor do governo.

Nas ruas, as massas populares são alvo das forças policiais e grupos paramilitares compostos por membros do partido sandinista, que agem juntos ou separadamente para dissolver protestos contra o governo e desalojar estudantes de universidades, como em 12 de junho, quando os alunos da Universidade Autônoma da Nicarágua – Manágua resistiram entrincheirados a um ataque conjunto das forças sandinistas, que dispararam com fuzis AK-47.

Grupos paramilitares de extrema-direita, por sua vez, têm feito ações seletivas, sequestrando e matando antigos membros do movimento sandinista e fazendo provocações em manifestações.

Essa é a mais profunda crise da gerência oportunista sandinista desde que renegou da luta armada e se “capacitou” a gerir os interesses da grande burguesia e do imperialismo por meio da farsa eleitoral.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro