Filipinas: Operários reprimidos por fazerem greve

Uma massiva greve de operários de uma fábrica de alimentos em Marilao, província de Bulacan, foi violentamente reprimida pela polícia, no dia 14 de junho. Ao todo, 21 operários foram presos e outros dez ficaram feridos com golpes de bastão e cassetetes. O movimento atingira na ocasião 12 dias de greve e ganhou amplo apoio popular.

Banco de dados AND
Piquete de trabalhadores filipinos para resistir à polícia, 07/06/2018
Piquete de trabalhadores filipinos para resistir à polícia, 07/06/2018

A repressão foi desatada pela polícia sob ordens do Tribunal Regional de Bulacan, que determinou o fim da prática de piquete e negou aos trabalhadores seu direito à greve iniciada no começo de junho. Indignados, os trabalhadores rechaçaram a decisão e entrincheiraram-se na fábrica, construindo barricadas nas entradas. A ação dos grevistas ganhou rápido apoio de estudantes e jovens que concentraram-se em frente à fábrica para prestar-lhes apoio e solidariedade.

O presidente fantoche do velho Estado semicolonial, Rodrigo Duterte, foi diretamente responsabilizado. “A repressão à greve dos trabalhadores da NutriAsia mostra o compromisso de Duterte em sufocar todas as formas de dissidência e resistência. Ela mostra seu compromisso em sacrificar as vidas dos filipinos para garantir os superlucros e o bem-estar de seus amigos ricos e de grandes empresas.”, denunciou um dos movimentos atuantes na luta chamado Anakbayan, em comunicado.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Os proletários exigiam melhores salários, condições dignas de trabalho, a reintegração de trabalhadores demitidos em meio à greve e a regularização completa de seus contratos (menos de 10% dos empregados têm um contrato regular, com todos os direitos trabalhistas garantidos). Outra exigência foi que o sindicato da categoria seja reconhecido e que se tenha os direitos sindicais aplicados.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro