Espécie em extinção

A- A A+
 

O cotidiano do trabalhador em meio ao desemprego

Estava sentado na sala de um amigo, tomando um café, quando tocou a campainha. Aberta a porta, surgiu um senhor alto, corpulento, vestindo uma camisa do Madureira Futebol Clube.

Banco de dados AND
Fila de desempregados, Centro do Rio de Janeiro (RJ), 2016
Fila de desempregados, Centro do Rio de Janeiro (RJ), 2016

— Este é o porteiro, seu fulano de tal — fui apresentado. Antes que eu terminasse de estender a mão, o homem já foi emendando:

— Porteiro, não. Ex-porteiro. Acabei de ser demitido.

Apesar da postura digna, notei um fio de amargura na sua voz, o olhar vagamente entristecido. Tudo sutil, mas muito palpável. Antes de se despedir, ele ainda falou:

— Fazer o quê? Agora vou abrir o meu próprio negócio.

Em meio à recessão, aquele trabalhador calejado, do alto dos seus prováveis cinquenta e poucos anos, nem cogita conseguir outro emprego de nível semelhante. A abertura do “negócio próprio” – há alguns anos idealizada como sinal de crescimento pessoal e profissional (não significa que fosse sempre isso, de fato) – surgiu na sua boca como uma fatalidade na luta pela sobrevivência em tempos de desemprego epidêmico.

Por conta (e risco) própria

Dados divulgados recentemente pelo IBGE, referentes a 2017, demonstram que, pela primeira vez desde que existe entre nós a legislação trabalhista, o número de ocupados por conta própria e sem carteira assinada ultrapassa, em termos absolutos, o número de empregados com carteira assinada. Esta explosão da informalidade, chamada por alguns autores de “uberização”, parece ter se convertido na nova regra da exploração da força de trabalho, e não um mero complemento ou refúgio temporário nas épocas de crise. (A propósito, se pensarmos na recente greve dos caminhoneiros, categoria na qual 40% dos profissionais são autônomos, é possível compreendê-los – guardadas as devidas diferenças e proporções – como “uberes” gigantes, que recebem abaixo do mínimo necessário para repor sua força de trabalho).

Uma companheira da luta, outro dia, me falou:

— Vou embora do Rio.

— Por quê? — espantei-me. — Você não passou no concurso do estado?

Notem: ela é professora de artes, mas por mais que procure não consegue vaga de emprego na sua área. Seu último trabalho foi como operadora de telemarketing, mas foi demitida há mais de seis meses e já não tem mais nenhuma parcela a receber do seguro desemprego. Ela me respondeu:

— Passei, mas até agora não chamaram. Parece que eles vão abrir um outro edital para chamar por contrato temporário, pode?

Poder, sinceramente, não sei se pode, mas “eles” fazem mesmo assim. Quem são “eles”? Ora, muito simples: aqueles que mandam no Estado, aqueles a quem o Estado serve. “Eles” são os mesmos que asseguraram, celeremente, um bilhão de reais para custear a infame intervenção militar no Rio (o general interventor pedira o triplo), mas não se sensibilizaram um pouco sequer com as imagens de servidores da ativa e aposentados passando fome, enquanto o dinheiro para quitar os seus salários era arrestado pela União a fim de pagar débitos do estado com o Tesouro. “Eles”, por enquanto, podem quase tudo.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja