Realidade e luta do povo no foco

A- A A+
 

Ator, fotógrafo e professor de artes, o carioca Ellan Lustosa mostra a realidade dos pobres e denuncia as injustiças sociais através do seu olhar. Insatisfeito com o sofrimento popular, ele cobriu as jornadas de protesto popular em junho de 2013, colocando seu trabalho ao serviço do povo. Neste momento passou a contribuir com o jornal A Nova Democracia, retratando a repressão ao povo e, com isso, se aprofundando no fotojornalismo.

Ellan Lustosa vê no fotojornalismo um meio de registrar as injustiças cometidas contra o povo
Ellan Lustosa vê no fotojornalismo um meio de registrar as injustiças cometidas contra o povo

— Para mim a fotografia é um instrumento que serve para denunciar as diferenças sociais que vivemos, e por meio dessa denúncia fazer com que se possa refletir e modificar a sociedade. Jamais uma sociedade chegará a viver em paz ou em evolução se nela existirem essas diferenças sociais enormes que estão aí — afirma Ellan.

— São questões como o processo da corrupção, a falta de educação ou a falta de saúde... Acredito que antes de mais nada o povo brasileiro precisa se conscientizar disso, e assim entender que somente a derrubada do poder da minoria que constrói essa diferença social é que dará para o país uma condição de vida melhor — continua.

Além da fotografia que tomou um espaço muito grande em sua vida, Ellan fez teatro na extinta Faculdade da Cidade; cinema, bacharelado, pela Estácio de Sá; e Artes, licenciatura, pela Cândido Mendes, todas no Rio de Janeiro.

— Não pude finalizar a faculdade de teatro. Precisei interromper por falta de recursos financeiros e, como já tinha o registro profissional e estava atuando em teatro e televisão, parti para o trabalho. Depois iniciei e consegui finalizar as outras duas, e hoje não vejo distinção entre a fotografia, o teatro, o cinema e meu trabalho como professor. Tudo está interligado — expõe.

— O que sai nas minhas fotos é fruto do trabalho e da história da minha vida, acredito que todo fotógrafo reflete si mesmo em seu material. Quando fotografa, ele congela o seu olhar pela sua experiência de vida. Minha história com a arte é antiga, meu avô era músico, ele tocava piano dentro dos cinemas quando o cinema tinha música ao vivo, e eu desde pequeno sempre fui muito ligado em filmes, via todos — recorda.

— Também era vidrado em revistas em quadrinhos, essas eram as duas paixões da minha vida, acho que a minha relação com o audiovisual surgiu daí. E na escola era bastante contestador de regras e posições, não aceitando injustiças, tanto que fui expulso de três escolas, “convidado a me retirar” como chamavam, simplesmente a direção da escola não deixava renovar a matrícula — continua.

E foi em uma escola que estava prestes a ser expulso, ou convidado a se retirar, que Ellan teve seu primeiro contato com o palco.

— A diretora me chamou no canto e falou  “sua barra está suja e você está sabendo, ano que vem não se matriculará. Mas vamos ter um espetáculo de fim de ano e eu limpo a sua barra se você fizer o papel que estou precisando”, e foi dessa forma que comecei a fazer teatro (risos). Quando subi no palco me identifiquei e não parei mais — conta.

— Depois disso fui morar em São Paulo, fiz cursos, trabalhei bastante por lá, fiz mais ou menos umas vinte peças, e de volta ao Rio dei continuidade. Mas minha postura como ator sempre foi de não olhar somente para a interpretação e sim para todo o quadro, o enquadramento, o roteiro etc. Já o estudo do cinema aguçou em mim o processo da fotografia, tudo aquilo que pensava em termos de enquadramento, leitura — diz.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja