Guerra civil reacionária amplia morte de camponeses, atesta CPT

O relatório anual da Comissão Pastoral da Terra (CPT) sobre violência no campo indicou que 2017 foi ano em que o latifúndio mais assassinou camponeses e defensores da luta pela terra desde 2003. Se no relatório constasse o massacre de cerca de dez indígenas isolados do povo Flecheiro, no Vale do Javari, seria ultrapassado o número de 2003. Isso mostra mais uma vez como a guerra civil reacionária movida pelas classes dominantes atinge profundamente também o campo brasileiro.

Lenir
Camponeses da Liga dos Camponeses Pobres ocupam prédio da Prefeitura Municipal de Ariquemes (RO), 10/07/2014 (foto: Lenir)
Camponeses da Liga dos Camponeses Pobres ocupam prédio da Prefeitura Municipal de Ariquemes (RO), 10/07/2014

A divulgação do relatório vem em meio à ofensiva política e publicitária do latifúndio. Outrora tímido em sua publicidade no monopólio dos meios de comunicação, a semifeudalidade e o atraso agora são expostos como “ pop e tech’’. O discurso pomposo do “agronegócio como o maior setor produtor brasileiro’’ que “escapou da crise’’ é vomitado por quase todo parlamentar e candidato a cargo público quando possível em frente às câmeras. Os promotores de massacres são também desonestos em seu discurso, afinal, a pequena produção camponesa, chamada institucionalmente de agricultura familiar, foi a 8ª maior do mundo no ano passado, de acordo com números levantados pelo Portal “Governo do Brasil”.

Massacres

O relatório da CPT destaca as cinco chacinas ocorridas no ano de 2017: Colniza (MT), Vilhena (RO), Pau D’Arco (PA), Lençóis (BA) e Canutama (AM).

Colniza e Canutama demonstram sobre que bases ocorreu a chamada “modernização do campo’’ que certos setores oportunistas alardeavam durante o gerenciamento de 2003-2016. Ambos ocorridos na chamada “Nova Fronteira Agrícola’’, o primeiro no seio do novo latifúndio contra pequenos proprietários e o outro, segundo suspeitas, efetuado a mando de uma madeireira controlada por uma holding.

O estado do Mato Grosso se destaca pelo crescente número de conflitos. De acordo com a CPT,  cerca de 5,5 mil famílias vivem em áreas de conflito e, pela primeira vez, o estado foi o 4º em número de assassinatos no relatório da organização.

O assassinato de seis camponeses remanescentes de quilombolas em Lençóis, na Bahia, também expõe a violência do latifúndio contra as comunidades tradicionais.

Enquanto isso, em Rondônia, estado da federação que em 2015 e 2016 foi o foco da guerra civil reacionária no campo, ficou em segundo lugar. Lá, a pistolagem atacou apoiadores da Liga dos Camponeses Pobres (LCP) em Vilhena, sul do estado.

Esse ano o Pará foi o estado com mais assassinatos. O sudoeste do estado foi palco da Chacina de Pau D’Arco, em 24 de maio de 2017, na qual dez camponeses foram assassinados por policiais civis e militares com a cobertura de pistoleiros pagos por latifundiários.

O caminho da luta

“Enganam-se aqueles que acreditam forçar, à bala, os camponeses ao silêncio: a vida demonstrou-nos que isso incita e exacerba ainda mais o movimento revolucionário dos camponeses”, disse o camarada Stalin, em 1906. Nada mais correto hoje! Enquanto em Rondônia a Liga dos Camponeses Pobres segue ocupando terras e em firme luta contra o latifúndio, mesmo sob cruento ataque, o movimento camponês do Pará encarnou ainda mais o espírito revolucionário do campesinato que Stalin mencionou.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro