O povo precisa do Estado que lhe proveja em todas suas necessidades

A- A A+

Ainda ensaiando os primeiros passos no sentido da encenação da farsa eleitoral, o monopólio dos meios de comunicação procura, através de uma falsa polêmica, classificar ideologicamente os candidatos a gerenciarem os interesses do imperialismo e seus lacaios grandes burgueses e latifundiários no Brasil. Enquanto isso, a burocracia inútil dos tribunais eleitorais cacareja à exaustão nauseabunda da “decisiva” participação do cidadão, reduzida ao voto, numa eleição farsante e corrupta de um sistema político podre até a medula.

Charge: Cleuber

Os defensores de que o Estado exerça um maior controle sobre a economia são classificados como de esquerda e aqueles defensores do chamado “Estado mínimo” são classificados como de direita ou “neoliberais”.

Para as siglas que se debatem dentro do Partido Único, estas classificações são bem recebidas e bastante palatáveis, uma vez que eludem o fato de que, ao fim de contas, todas elas são ideologicamente de direita. A régua para tais classificações é a submissão de todas elas à política de subjugação nacional imposta pelo imperialismo, principalmente ianque. Ademais da decisiva questão de quem afinal é este velho Estado: do latifúndio, da grande burguesia em suas frações compradora e burocrática, serviçais do imperialismo, principalmente ianque.

Capitalismo burocrático

Este decrépito Estado brasileiro em franca decomposição, sob o domínio imperialista, manejado e disputado pelos grupos de poder representantes das carcomidas classes dominantes locais, de origem escravocrata e feudal, subservientes desde as entranhas ao “mercado”, usam a estrutura burocrática do Estado para arrecadar os impostos pagos pelo povo nas esferas municipal, estadual e federal para empregá-los em benefício de seu amo imperialista e a si próprios.

Sob o mito de que o “Estado Democrático de Direito” é a democracia universal foram criadas instituições, que ao mesmo tempo que administram e zelam pela destinação dos recursos, abocanham parcelas do mesmo. Estas instituições albergam uma burocracia de alto coturno nos chamados poderes da República, ou seja, o executivo, o legislativo e o judiciário.

O preço pago pela subjugação nacional ao imperialismo equivale, praticamente, à metade de todos os impostos achacados ao povo brasileiro. A começar pelo serviço da dívida pública envolvendo juros e amortizações, abrangem outros títulos como: remessa de lucro das transnacionais, royalties, dividendos, patentes, etc.

Ministros de Estado, senadores, deputados federais, Ministros do Supremo Tribunal Federal e dos tribunais superiores, assessorados por profissionais de nível superior, todos ganhando remuneração mensal superior a R$ 30 mil, afora regalias como o pagamento de aluguel, passagens aéreas, telefone e até o paletó. Esta burocracia de alto coturno chega aos cargos geralmente por indicações para o preenchimento de cargos comissionados. Indicações dos oligarcas que sustentam o apodrecido sistema político brasileiro através do domínio da política regional e municipal.

Soma-se a tudo isto o custo da casta militar, coluna vertebral de sustentação desta apodrecida ordem, distribuída nos ministérios militares e em seus comandos e regiões militares.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Máquina eleitoral

Contam-se entre os cargos mais almejados, os cargos de direção das chamadas empresas estatais como os bancos públicos: BNDES, Banco do Brasil, Caixa Econômica, Banco do Nordeste e outros de menor porte, além de empresas como: Petrobrás, Eletrobrás, CHESF, Itaipú, Funai, Nuclebrás, Correios, etc. Todas estas empresas e bancos possuem um conselho de administração composto por cerca de seis a 12 conselheiros que se reúnem de duas a três vezes ao ano, porém recebem polpudos jetons mensais.

São estes cargos que possibilitam o direcionamento do imposto que o povo paga ao favorecimento dos grupos de poder através de concessões, renúncia fiscal, empréstimos subsidiados, acompanhados quase sempre das falcatruas, propinas, concorrências fraudulentas, direcionamento de licitações e outras safadezas caraterísticas deste mitológico “Estado Democrático de Direito”.

A chamada Máquina Pública com suas atividades fins destinadas a prestar serviços à população geralmente com remuneração aviltada sustenta, pois, esta burocracia de alto coturno encastelada em sua atividade meio.

Tal como as estruturas que citamos em nível federal, vemos a sua reprodução nos planos estadual e municipal.

Imagine, o cara leitora e leitor, o gasto dos mais de 5.600 municípios brasileiros para sustentar  suas câmaras de vereadores e a estrutura burocrática da Prefeitura com o seu secretariado, que em muitos casos equivalentem a toda a folha de pagamento dos servidores públicos que verdadeiramente trabalham. Isto para não falarmos do que acontece com os estados e suas máquinas apodrecidas, cuja vitrine maior é o estado do Rio de Janeiro, mas não só.

É esta estrutura de base semifeudal que, em tempos de eleição, se transforma na mais possante máquina eleitoral a reproduzir todas as iniquidades da velha ordem burguesa-latifundiária serviçal do imperialismo.

É por isso que afirmamos e não cansaremos de afirmar que este ultrapassado e caquético sistema político brasileiro jamais mudará através das apodrecidas eleições garantidas a peso de ouro pelos grupos de poder que se apropriam de seus resultados.

A Revolução Democrática, Agrária e Anti-imperialista é pois uma necessidade histórica para separar o Brasil de um passado tutelado pelo atraso em toda a sua dimensão e construir o novo Brasil.

Somente assim, com a destruição cabal desta velha, atrasada e apodrecida ordem, sobre seus escombros, que o povo edificará o seu Estado revolucionário, o poder popular de Nova Democracia, o Estado que pode prover o povo de todas as suas necessidades, para edificar o Brasil Novo.

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537

Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

EXPEDIENTE

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda 
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond 
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait