Música e poesia no vagão

Artista de rua que faz com prazer aquilo que gosta e acredita, o violonista e cantor Denny Menezes tem como objetivo principal levar cultura e alegria para o povo, tocando e cantando nos trens, ônibus, praças etc. Natural de Belém, Pará, Denny migrou para o Rio de Janeiro há dez meses visando divulgar e expandir a sua arte, o que tem lhe rendido satisfação e ajudado a seguir em frente nos seus objetivos.

Banco de dados AND
Denny, um artista de rua a serviço do enriquecimento cultural do povo
Denny, um artista de rua a serviço do enriquecimento cultural do povo

— Trabalhar nos trens da Central do Brasil tem sido uma aventura para mim, acabo conhecendo muitas pessoas, sendo aceito por algumas e não tão aceito por outras, e isso vem gerando algo muito gratificante. Percebo que por meio da minha arte posso levar um bem para o povo e assim conseguir atingir o meu objetivo, e isso é o que me mantém focado a continuar o trabalho — fala Denny.

— O objetivo principal da arte de rua para mim é levar cultura, boa música, alegria para as pessoas, e cada artista de rua sabe o que trabalhar e a mensagem que vai querer espalhar. Da minha parte quero, além de enriquecer culturalmente as pessoas, ajudar a quebrar o gelo e o estresse do cotidiano, dos engarrafamentos, dos transportes lotados, e muitas outras coisas que afligem o povo, essa é a minha contribuição — expõe.

Há dez meses desenvolvendo e apresentando a sua arte no Rio de Janeiro, Denny demonstra entusiasmo.

— Tenho trabalhado nos trens principalmente, tocando violão e cantando. Comecei trabalhando sozinho e depois fui conhecendo outros artistas que trabalham no vagões. Até comecei a tocar com alguns. Por exemplo, o mês passado eu estava tocando com a Laura, uma violinista que veio de São Paulo para trabalhar aqui no Rio também. Fizemos uma dupla que deu muito certo, mas no momento voltei a trabalhar sozinho — conta.

— Meu repertório é vasto, muitos estilos, e escolho o que vou apresentar baseado no vagão do trem que eu esteja, quer dizer, no público que está ali no momento. Se são pessoas mais velhas escolho determinado ritmo, ou se são jovens escolho outro. Toco e canto desde MPB, pop rock dos anos de 1990, Paralamas e Legião Urbana, até reggae, passando pela música nordestina, Zé Ramalho e Alceu Valença, canções que falam de amor, cotidiano, da vida — relata.

— Sou também compositor, já fiz algumas músicas e quando dá eu apresento, enfim, é coisa de momento e eu acho isso ótimo. A arte de rua para mim é algo muito bom e especial, basta dizer que apesar de todos nós precisarmos de recursos financeiros para a sobrevivência, ela é muito independente nesse sentido. O artista de rua em geral não foca o seu trabalho nesse detalhe, é algo feito mesmo por amor — fala.

O trabalho do artista de rua, na concepção de Denny, é sempre voltado para o bem social, para o coletivo.

— Ele é feito exclusivamente para atender as pessoas, àqueles que irão usufruir dessa arte. Nesse sentido o objetivo principal do artista de rua, na minha concepção, vendo bem de dentro, não é ganhar dinheiro, mas sim levar um enriquecimento cultural para o povo, realizar um trabalho social e não comercial ou relacionado à carreira — afirma.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro