SP: População se rebela contra execuções policiais arbitrárias

A- A A+
 

Após o assassinato de um morador pela Polícia Militar, a população de Olímpia se levantou em revolta ateando fogo em carros e ônibus na madrugada de 18 de julho. Pelo menos 15 ônibus e cerca de dez automóveis do pátio da Ciretran foram incendiados. Durante os incêndios registrados no Distrito Industrial e no bairro Santa Ifigênia também foram montadas barricadas em vários pontos nas ruas da cidade.

André Modesto
População incendeia ônibus em revolta por morte de jovem 9foto: André Modesto)
População incendeia ônibus em revolta por morte de jovem

De acordo com o Corpo de Bombeiros, a rebelião ocorreu simultaneamente em diversas regiões da cidade. No pátio da empresa de ônibus Bontur foram incendiados 14 veículos, entre eles, 12 ônibus, um caminhão e um veículo sem identificação que a polícia suspeita ser uma caminhonete cinza. Um ônibus rural que estava estacionado na rua também foi incendiado no bairro Harmonia.

Os manifestantes também atearam fogo em dois banheiros químicos que eram disponibilizados pela prefeitura à população, durante a realização da Feira Livre no bairro Santa Ifigênia. A explosiva rebelião desencadeou-se após o velório da vítima. Familiares e amigos, revoltados, puxaram os protestos e as ações.

A vítima em questão foi Everson Luis Nunes Pereira, de 38 anos, que morreu nas mãos de um PM de 33 anos, no dia 15 de julho. O PM é acusado de matar a tiros o eletricista durante uma briga no interior de uma boate.

Everson chegou a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos e morreu. Ele era casado e deixou seis filhos. Irmão do eletricista, Evandro Pereira garante que ele não tinha problema com o policial e tudo teria acontecido após um esbarrão na boate. “O que me contaram foi que, sem querer, meu irmão deixou cair um pouco de cerveja no chão e respingou no pé da namorada do policial. Ele ficou bravo e começou uma briga que terminou com meu irmão morto. Foi um motivo besta”, lamenta.

Rebelião repudia assassinato

No começo de julho, em Poá (SP), dois ônibus foram incendiados e apedrejados após o assassinato da jovem de 20 anos Brenda Lima de Oliveira por um PM, no Jardim São José, na tarde de 2 de julho. O ato de revolta ocorreu poucas horas depois do crime, durante uma manifestação organizada pelos moradores do bairro. A mulher teria sido morta pelo PM após ele ter confundido a vítima com uma pessoa que supostamente estava lhe ameaçando.

O namorado de Brenda também foi alvejado. O casal estaria passando de moto na frente da casa do policial quando o incidente ocorreu. O rapaz de 19 anos foi atingido nas costas, mas sobreviveu.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja