PA: Ribeirinhos lidam com percalços de crime ambiental

Após três meses do crime ambiental provocado pela mineradora norueguesa Hydro Alunorte, os moradores das comunidades ribeirinhas de Barcarena continuam sofrendo os efeitos da contaminação dos igarapés. Os moradores denunciam que as águas da região ficaram impróprias para o consumo depois do transbordamento de lama vermelha da produção de bauxita da mineradora. “O igarapé morreu, não tem mais peixe”, diz a moradora Maria Salestiana Cardoso, de 69 anos.

O igarapé morreu, não tem mais peixe
O igarapé morreu, não tem mais peixe", afirma moradora

Sem acesso à água potável, as comunidades ribeirinhas Bom Futuro, Burajuba e Vila Nova passaram a ser abastecidas por dez carros-pipa, segundo dados da Prefeitura de Barcarena. Cerca de 1,9 mil famílias das comunidades receberam 36,8 mil garrafões de água mineral após ficarem sem água apropriada para tomar banho, fazer a comida e cuidar das plantações. Elas também são atendidas por assistentes sociais e médicos por conta do abalo emocional e pelas doenças que surgiram.

Conforme noticiado anteriormente pelo AND, as descobertas de irregularidades começaram no dia 17 de fevereiro, quando fotos registraram vazamento de rejeitos da bacia de depósitos da mineradora. Inicialmente a Hydro Alunorte se manifestou negando qualquer incidente, mas no dia 22 de fevereiro, o  Instituto Evandro Chagas (IEC) divulgou um laudo contrariando a empresa e confirmando a contaminação em diversas áreas de Barcarena, provocada por uma ligação clandestina para eliminar efluentes contaminados da empresa norueguesa. O laudo constatou a presença de diversos metais pesados, inclusive de chumbo, em comunidades ribeirinhas.

A Hydro continua negando que houve o transbordamento de efluentes das bacias de rejeitos de resíduos DRS1 e DRS2, como apontou um segundo laudo do IEC. Até o momento os moradores não receberam nenhum tipo de indenização por parte da empresa pelos danos causados.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin