BA: Terror policial deixa jovem paraplégico

A- A A+
 

Um adolescente de 16 anos foi baleado durante uma ação da Polícia Militar (PM) no bairro de Pernambués, Salvador, e ficou paraplégico. O jovem estava soltando fogos com os amigos perto de casa quando foi atingido por um tiro nas costas.

Banco de dados AND
Jovem de 16 anos sonhava em ser jogador de futebol
Jovem de 16 anos sonhava em ser jogador de futebol

A família do garoto acusa os PMs de entrarem na comunidade atirando sem que houvesse motivo. “No dia 8 foi o dia da Guerra de Fogos, que é uma tradição da Baixa do Manu. Ele foi baleado na madrugada. A polícia devia ter conhecimento disso, já que é uma festa que acontece há muitos anos”, conta a advogada da família, Lorhaine Blanco.

Moradores denunciam que esse tipo de ação dos militares é rotineira. No dia do ocorrido, apontaram que nada de anormal acontecia na localidade. Também não houve revide dos tiros. Em menos de 20 dias, os PMs fizeram três abordagens na região, que resultaram na morte de uma pessoa e deixaram outras duas gravemente feridas. Os casos são investigados pela corregedoria da corporação, que já instaurou 54 processos administrativos contra PMs desde o início do ano.

O adolescente também perdeu o controle das funções urinárias e agora precisa usar fraldas o tempo todo. Uma sonda foi colocada nele para recolher a urina. “Quando eu cheguei ele estava lúcido. Já na mesa de cirurgia, a menina veio conversar comigo e disse que estava preparando ele para fazer a cirurgia”, conta a mãe do rapaz, a empregada doméstica Heneida Gonçalves, em entrevista concedida ao monopólio de imprensa. “Não tenho coragem de dizer que ele não vai mais andar. Quando botaram ele na cadeira de rodas ele chorou. Imagine quando souber que não vai andar. Como que essa criança vai ficar? Para mim, está muito difícil. Eu sou pai e mãe. Vou ter que parar de trabalhar para cuidar dele”.

Crimes contra o povo

Nas três ocorrências contabilizadas nos últimos 20 dias, testemunhas disseram que os policiais atiraram sem razão, demonstrando ser a violência reacionária parte de uma política de Estado.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

O último caso ocorreu na noite do dia 23, no bairro de Fazenda Coutos 3. Moradores festejavam o São João quando disseram que uma viatura entrou na localidade em alta velocidade. Os policiais atiravam supostamente contra um homem em fuga, mas dois disparos atingiram o operador de máquinas Admilson Conceição dos Santos, de 35 anos, que estava sentado em uma cadeira na frente da casa da mãe. Ele resistiu aos ferimentos e sobreviveu.

Na semana anterior foi a vez do mototaxista Douglas Andrade Santos, de 20 anos, que morreu durante uma ação da PM em São Gonçalo do Retiro. Imagens gravadas por câmeras de segurança registraram o momento em que o tiro que atingiu o rapaz partiu de uma viatura. O jovem foi atingido na nuca e não resistiu.

Edição impressa

A imprensa democrática e popular depende do seu apoio

Leia, divulgue e conheça. Deixe seu nome e e-mail para se manter informado
Please wait

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

PUBLICIDADE

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!
#
#
#

ONDE ENCONTRAR

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja