México: Dois ativistas são mortos por paramilitares

A- A A+
 

Dois ativistas indígenas foram assassinados por grupos paramilitares vinculados ao velho Estado mexicano, na segunda quinzena de julho, no estado de Oaxaca. Abraham Hernández Gonzáles e Rolando Crispín López atuavam em lutas contra o latifúndio e a favor dos direitos dos povos indígenas e camponês.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Abraham Hernández González, de 42 anos, era coordenador regional do Comitê pela Defesa dos Direitos Indígenas (Codedi). Ele foi perseguido por militares encapuzados em uma caminhonete durante toda a tarde do dia 17 de julho. Hernández foi sequestrado por eles dentro do hotel onde trabalhava, localizado na comunidade Salchi, munícipio de São Pedro Pochutla. Às 18 horas e 30 minutos do mesmo dia, ele foi encontrado sem vida em um terreno baldio na comunidade Cuatunalco, a 300 metros de Salchi.

Cinco dias depois o ativista Rolando Crispín López, que era membro da Assembleia dos Povos de Álvaro Obregón e atuou em diversas frentes da luta indígena, foi assassinado a tiros enquanto saía de seu posto de guarda por um homem numa moto. Rolando era membro da polícia comunitária. O fato ocorreu no município de Juchitán. Testemunhas identificaram o assassino como Alejandro Matus Chávez, um policial municipal ativo.

O movimento ao qual pertencia Rolando trava uma luta desde 2012 em defesa do território Barra de Santa Teresa contra a empresa de energia eólica Mareña Renováveis. Em fevereiro de 2013, o povo organizou uma polícia comunitária, de modo a assegurar que o território indígena não fosse ocupado em atendimento aos interesses dos empresários. Constantemente os membros da polícia comunitária alegam sofrer perseguição política e todo tipo de agressão.

A Corrente do Povo Sol Vermelho, que atua em Oaxaca, emitiu uma nota condenando os assassinatos cometidos contra os membros de movimentos populares, no dia 25/07.

“Nós expressamos nosso repúdio mais enérgico à onda de agressões que nos últimos dias foram registradas contra vários setores do movimento popular em Oaxaca”, afirmam os militantes. E prosseguem: “Ambos os assassinatos foram perpetrados por grupos paramilitares na Costa e no Istmo de Oaxaca. Juntamente com outros ataques contra o movimento - como o desaparecimento forçado de nosso camarada, doutor Ernesto Sernas García, ocorrido em 10 de maio -, podemos dizer que o culpado destes crimes é o Estado!”.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja