USA: Guardas Vermelhos repudiam agressão na Alemanha

Os Guardas Vermelhos de Austin, Los Angeles, Pittsburgh, Charlotte e Kansas City emitiram declaração conjunta repudiando a agressão covarde perpetrada pelo movimento liquidacionista Jugendwiderstand (JW) contra ativistas maoistas alemães dirigidos pelo Comitê Bandeira Vermelha (CBV). Nos últimos três meses, várias organizações e Partidos maoistas pronunciaram-se nesse sentido, conforme reportamos em AND 213.

Oswaldo Rivas
Guardas Vermelhos de Austin (Texas) em marcha de rua; ''Ousar lutar, ousar vencer!', diz o cartaz (foto: Oswaldo Rivas)
Guardas Vermelhos de Austin (Texas) em marcha de rua; ''Ousar lutar, ousar vencer!', diz o cartaz

“É responsabilidade dos revolucionários de todo o mundo analisar linhas ideológicas em luta como internacionalistas, e devemos assumir a posição de combater o centrismo e o direitismo”, introduzem os maoistas. “Em relação aos eventos que ocorreram em 1º de maio de 2018 [referindo-se à agressão] e às numerosas declarações subsequentes, mantivemos silêncio por muito tempo. Por isso, somos autocríticos e procuramos retificar essa questão ficando a par das importantes lutas que estão ocorrendo no Movimento Comunista Internacional e tornando nosso apoio claro e oportuno. Em suma, devemos aprender a separar os revolucionários dos revisionistas e apoiar firmemente os revolucionários.”, prosseguem.

“Em primeiro lugar, condenamos as ações sem princípios do Jugendwiderstand”, repudiam os maoistas estadunidenses, e logo prosseguem com uma autocrítica: “Nós expressamos nosso apoio a eles em várias ocasiões, e esse é um ponto sobre o qual somos humildemente autocríticos”. Sobre a agressão, os Guardas Vermelhos são enfáticos de que são fatos “inaceitáveis, indefensáveis ​​e reacionários e condenamos como tais.”.

Recordando a agressão

No dia 1º de maio, durante uma marcha, ativistas revolucionários que portavam o estandarte da campanha internacional pelos 200 anos de Karl Marx, em Berlim, foram atacados por “uma tropa do lumpesinato”, conforme caracterizou o CBV, em declaração de repúdio.

Os elementos da JW saíram por trás de uma coluna policial e atacaram os ativistas revolucionários. Antes que estes pudessem reagir, fugiram e esconderam-se atrás das fileiras da polícia.

O ataque foi uma tentativa dos liquidacionistas da JW de intimidar os maoistas alemães, que avançam seus trabalhos em Berlim. Os elementos da JW atuam com métodos e lógica das gangues na tentativa de impedir que os maoistas trabalhem em áreas onde aqueles circulam.

Segundo apontou o Partido Comunista do Brasil (Fração Vermelha), em declaração de repúdio à agressão (já relatada em AND 213), o ataque se dá em um contexto no qual os maoistas de todo o mundo, tendo a frente uma esquerda, “avançam rumo a uma Conferência Internacional Maoista Unificada” e, frente a este avanço, “elementos recalcitrantes, em seu afã de hegemonismo, opõem-se a essa marcha”. Os comunistas brasileiros mencionam que essa agressão é um ataque a esses avanços dos maoistas e que “os verdadeiros responsáveis guardam silêncio cúmplice”, referindo-se aqueles que patrocinaram politicamente a JW para opor-se ao CBV.

Repúdio ao revisionismo

Os Guardas Vermelhos também criticaram a capitulação dos liquidacionistas da tarefa de reconstituir o Partido Comunista da Alemanha (a JW surgiu a partir de um grupo que se separou do CBV, adotando desde então uma linha que busca liquidar os avanços nessa tarefa) e todo o ecletismo ideológico que utilizam para justificá-la. “A JW assume uma linha branca, de direita e oportunista para atacar o CBV tal como os oportunistas usam para nos atacar no USA”, comparam. “Acusam-nos de ‘cultismo’, ‘gonzalismo’, ‘pequena seita’ e assim por diante”. Segundo os maoistas, são acusações que visam “opor-se aos inúmeros aportes da Guerra Popular no Peru. É um ataque contra o maoismo e é, portanto, um ataque contra nós.”.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro