Iraque: Massas se rebelam e conquistam direitos

A- A A+
 

Violentos protestos irromperam em todo o Iraque contra a política do governo e pelos direitos fundamentais do povo, nos dias 8 a 17 de julho. As manifestações, iniciadas na província de Basra, tinham como objetivo exigir acesso à água potável, eletricidade e emprego. As forças repressivas do velho Estado iraquiano, tentando calar o protesto, espancaram e dispararam com armas de fogo contra manifestantes. A denúncia é da Human Rights Watch, veiculada no dia 23 de julho.

Banco de dados AND
Militar iraquiano agarra manifestante no campo de petróleo
Militar iraquiano agarra manifestante no campo de petróleo

De oito protestos analisados pela entidade, em seis deles houve disparos de armas de fogo por parte das tropas policiais, ferindo 47 pessoas. O relatório menciona que, em cinco destes protestos, os manifestantes responderam jogando pedras, bombas caseiras com gasolina (coquetéis molotov) e ergueram barricadas em chamas. Acuado com os protestos, o velho Estado chegou a aplicar censura e restringiu o acesso à internet em grande parte do centro e sul do Iraque.

Segundo o relatório, pelo menos três manifestantes foram executados pelas forças de repressão e dentre os feridos estão duas crianças que foram baleadas, e uma terceira que foi espancada com um fuzil.

São três as reivindicações das massas: o acesso à água dessalinizada (água submetida a tratamento de retirada de excesso de sal), pois a água potável na região de Basra possui esta característica durante o verão; a queda na taxa de desemprego no setor petrolífero e em outros setores industriais; e acesso à eletricidade, especialmente no verão.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Após a violenta onda de protestos, o primeiro-ministro Haidar al-Abadi, temeroso com a força das manifestações, assumiu um compromisso de destinar fundos públicos para solucionar as demandas.

Os protestos, inicialmente restritos à província de Basra no dia 10, tomaram rapidamente outras regiões do país. Babil, Bagdá, Dhi Kar, Karbala, Missan, Muthanna e Najaf foram algumas das regiões onde registraram-se protestos violentos. Especialmente em Basra, os manifestantes foram diretamente ao campo petrolífero, sabendo que assim o governo seria obrigado a atender aos seus direitos.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja