AC: Presidiários deflagram greve de fome

Os detentos do Instituto de Administração Penitenciária do Acre (Iapen-AC), entraram em greve de fome no dia 15 de agosto, em protesto por melhores condições nos presídios e mudanças nas regras de visitas. De acordo com a direção do presídio, há 403 presos nos quatro pavilhões.

Banco de dados AND
A população carcerária brasileira está estimada em 726 mil
A população carcerária brasileira está estimada em 726 mil

A greve de fome teve início nas unidades Francisco d’Oliveira Conde, presídio de segurança máxima Antônio Amaro e Unidade Feminina, em Rio Branco, até que os detentos dos presídios do interior Evaristo de Moraes (em Sena Madureira), Moacir Prado (em Tarauacá) e Manoel Néri (em Cruzeiro do Sul) também foram aderindo ao protesto.

Reivindicações

Entre as reivindicações, estão a volta das visitas íntimas em todos finais de semana, um tempo maior das visitas familiares, e que essas visitas ocorram a cada 15 dias; além da revisão dos processos dos que estão com penas vencidas. As detentas da unidade feminina também estão fazendo parte dos protestos, e exigem o direito à visita dos maridos. As reivindicações foram encaminhadas ao judiciário.

Mulheres protestam em Rio Branco

As companheiras de presos fecharam as principais vias da capital acreana no dia 15 de agosto para pressionar e garantir que as exigências dos presos sejam atendidas. Em nota, o Iapen informou que não pretende atender às reivindicações.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

No dia seguinte, 16 de agosto, familiares dos detentos em greve de fome fizeram um protesto na cidade de Cruzeiro do Sul. Mais de 40 mulheres fecharam a entrada do Tribunal de Justiça do município e, após conversar com um juiz, seguiram para a frente do presídio e fecharam as duas entradas do local e a rodovia BR-307.

Carregando cartazes, as manifestantes exigiam notícias sobre o andamento das reivindicações de seus companheiros nas penitenciárias de Cruzeiro do Sul e das outras cinco unidades do Acre.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Paula Montenegro
Taís Souza
Rodrigo Duarte Baptista
Victor Benjamin

Ilustração
Paula Montenegro