‘Araguaia, presente!’: um importante filme para desmascarar o oportunismo

A- A A+
 

O tema da Guerrilha do Araguaia tem sido evocado em vários documentos e pesquisas que se transformaram em livros e filmes.  Araguaia, presente! é um filme que chega em boa hora para debate sobre a resistência ao regime militar-fascista, a luta armada revolucionária, bem como sobre os acertos, erros e desvios cometidos pela esquerda no período. Trata-se de um filme muito bem produzido, com trilha sonora original e excelente no acabamento de imagem e som.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Os depoimentos de ex-combatentes da guerrilha colhidos por André Queiroz e Arthur Moura dão um caráter singular à produção de Araguaia, presente!, na medida em que aprofundam teses sobre as divergências no seio do regime militar-fascista e, também, o debate inacabado dentro do Partido Comunista do Brasil (então PCdoB) sobre a avaliação da derrota da guerrilha. É de bom alvitre ressaltar que o filme foge do estilo choramingas de vitimização e, inclusive, acena para a necessidade de uma retomada do processo revolucionário ali interrompido.

Do ponto de vista do regime militar-fascista, a produção de Araguaia, presente! desmistifica e expõe o fato de que Geisel não só sabia dos assassinatos, como de fato chamava para si o monopólio da autorização das execuções. A dita “abertura lenta, gradual e segura” não comportava uma duplicidade de mandos militares na repressão aos inimigos do regime. Daí a demissão do general Dilermano, comandante do II Exército, e a prisão do general Silvio Frota, após as mortes de Manoel Fiel Filho e de Vladimir Herzog.

Os diálogos entre Geisel e o general Bandeira são bastante elucidativos da centralização do mando militar em Geisel.A coleta de depoimentos de ex-guerrilheiros, dentre eles alguns renegados, contribui para o entendimento do porquê João Amazonas se recusou a fazer uma avaliação autocrítica da guerrilha. O depoimento de Danilo Carneiro, sobrevivente da guerrilha, acusa claramente a direção do PCdoB, à época, de traição ao mudar radicalmente a linha do Partido após a queda da reunião do Comitê Central do partido, episódio conhecido como o Massacre da Lapa, ocorrido na cidade de São Paulo, 16 de dezembro de 1976. Nesta operação, comandada pelo delegado Fleury, foram mortos os dirigentes Pedro Pomar, Ângelo Arroyo e João Batista Drumond; os dois primeiros foram covardemente chacinados no local da reunião e o terceiro na tortura.

Pedro Pomar e Ângelo Arroyo, com posições divergentes, buscavam as causas da derrota sem, entretanto, negar a teoria da guerra popular, senão buscando retomá-la. Arroyo defendia que a derrota de deveu a erros de ordem militar, enquanto Pomar ia mais fundo acusando a direção de haver cometido erro de concepção que contrariava o próprio documento do partido que orientava aquela luta, o documento Guerra Popular, caminho da luta armada no Brasil. Esse aspecto fundamental sobre o balanço, entretanto, não fica evidente no filme e, entre outras limitações, leva a uma interpretação pouco abrangente da crítica de Pedro Pomar e elude sua conclusão: a necessidade da autocrítica para retomar a guerra popular.

Outro ponto negativo, mas que não chega a comprometer, é uma certa ênfase nas cenas de tortura. Ainda que haja uma cena que demonstra a altivez dos prisioneiros após uma sessão de tortura, há uma prevalência do sofrimento das vítimas de tais sevícias e não se expressa o valor e firmeza da maioria das guerrilheiras e guerrilheiros que seus próprios carrascos tiveram de admitir e fazer públicos (acusando-os, claro, como se tratasse de “fanáticos incorrigíveis”).

A discussão da retomada da luta armada como futuro da Revolução é esboçada nas severas críticas de parte da militância à direção do PCdoB, na execução dos militares e principalmente na reorganização do Partido através do abandono da linha revolucionária da guerra popular trocada pela linha do oportunismo eleitoreiro.

Ao destacar a bandeira da luta pela terra e finalizar com uma manifestação do movimento camponês revolucionário, aponta os rumos da retomada da luta revolucionária.

O filme, mesmo em suas limitações, cumpre importante papel em trazer para a realidade atual, a oportunidade para o debate que havia sido soterrado pela avalanche oportunista eleitoreira que arrebatou a “esquerda” no país. O debate sobre os desvios,  renegação e traições que estão na base e são as causas das ilusões de muitos e a responsabilidade de tantos outros pelo que culminou no fracasso vergonhoso do atual PCdoB, proporcionando o ambiente para a ofensiva da direita e da extrema direita, além da onda reacionária e anticomunista do cenário político de hoje.

Para aqueles que se preocupam em buscar saídas fora do campo do oportunismo eleitoreiro, o filme merece ser assistido, mas também debatido para evidenciar os aspectos teóricos e práticos dos rumos da revolução brasileira.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Tel.: (11) 3104-8537
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja