Filipinas: Camponeses são assassinados

A- A A+
 

Sob a cobertura do governo Duterte, nove camponeses pobres foram executados na cidade de Sagay, na província de Negros Ocidental, no dia 20 de outubro. Os camponeses eram organizados na Federação Nacional dos Trabalhadores do Açúcar (FNTA) –  acusada pelo governo de ser uma “organização de frente” do Partido Comunista das Filipinas.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Segundo informações da Frente Nacional Democrática das Filipinas (FNDF), os camponeses, após mais de 12 horas de trabalho, estavam jantando quando foram surpreendidos pelo bando. Eles foram executados imediatamente. Os pequenos agricultores ocupavam a região, que antes pertencia a um latifundiário açucareiro que submetia os camponeses da região ao regime semifeudal de arrendamento de terras.

Os 40 executores da chacina foram identificados como membros do Exército Proletário Revolucionário (EPR), um bando armado revisionista que, após firmar sua capitulação com o velho Estado, passou a atuar como força auxiliar da repressão e como força hostil à Revolução Filipina. “O EPR, pseudorrevolucionário, está agora ativamente integrado como força auxiliar das Forças Armadas desde sua suposta ‘rendição’ e ‘pacto de paz’ com o governo.”, afirmou um representante da FNDF de Negros.

A FNDF, por meio de outros representantes, também denunciou que a polícia não demonstrou nenhum interesse em esclarecer o caso, reforçando a suspeita de envolvimento direto e centralizado das forças de repressão no massacre. “Em vez de realizar uma investigação completa, os militares e a polícia trabalharam imediatamente para espalhar desinformação. Eles plantaram evidências incriminatórias sobre as vítimas e ridicularizaram seu direito de realizar ações organizadas em massa e exigir uma verdadeira reforma agrária. O povo de Negros sabe muito bem que o Massacre de Sagay foi perpetrado por pistoleiros, armados por latifundiários locais e encorajados pelo clima de impunidade e pelos próprios pronunciamentos de Duterte para sufocar a dissidência e matar.”, denunciou.

“Com o despotismo do regime de Duterte, o povo filipino só pode descansar suas esperanças em seu querido exército, o NPA e a vitória da Guerra Popular.”, conclamou.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja