RO: Centenas marcham em defesa da área Enilson Ribeiro

A- A A+
 

Ocorreu em Seringueiras, estado de Rondônia, a Missão de Solidariedade ao Acampamento Enilson Ribeiro, no dia 18 de outubro. A Missão mobilizou centenas de estudantes, jornalistas, professores universitários e camponeses de outras zonas do estado que foram ao acampamento. A recepção foi com estrondosos aplausos e fogos de artifício.

Banco de dados AND
Camponeses e apoiadores defendem Enilson Ribeiro, 18/10
Camponeses e apoiadores defendem Enilson Ribeiro, 18/10

A Missão convocada pela Associação Brasileira de Advogados do Povo (Abrapo) e pelo Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos (Cebraspo) teve como objetivo “impedir que o estado de Rondônia seja palco de mais um grande massacre de camponeses”, como divulgado em seu convite.

O acampamento onde hoje moram mais de mil pessoas, dentre elas 300 crianças, tem histórico de luta acompanhado desde o início pelo AND. Os camponeses tomaram a terra (até então conhecida como latifúndio Bom Futuro) em 2016, e pouco depois, no mesmo ano, sofreram despejo. A ação policial foi brutal: os camponeses ficaram mais de 20 dias sob um cerco que impediu a chegada de comida e de todo tipo de informação. A área foi reocupada em 30 de abril de 2018 e, hoje, o Corte Popular já está em processo de culminação.

Manifestação e reunião com o Incra

No mesmo dia da chegada da Missão de Solidariedade ocorreu uma audiência pública na Câmara Municipal de Seringueiras, com as participações do Ouvidor Agrário Nacional e do representante do Incra de Rondônia. A audiência foi acompanhada por centenas de camponeses do acampamento Enilson Ribeiro, que realizaram junto com os integrantes da Missão uma combativa manifestação em frente à Câmara.

Os camponeses marcharam do Centro de Seringueiras até a Câmara Municipal, mesmo sob forte temporal. Chegando ao local da reunião, o Ouvidor Agrário Nacional e o representante do Incra se recusaram a participar da reunião porque, segundo eles, o Ouvidor teria sido “ameaçado de sequestro pela LCP” e a Polícia Federal (PF), presente no local com policiais à paisana, aconselhava-os a não entrar no local. Os agentes da PF, em caminhonetes brancas com placas oficiais, tiraram dezenas de fotografias dos camponeses e demais apoiadores.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Um camponês que não quis ser identificado criticou a justificativa dada pelo Ouvidor: “É terrorismo o que fazem nos colocando como pessoas agressivas, como bandidos”. O representante da Comissão Nacional das LCPs, durante a reunião, rebateu a suposta ameaça a Liga: “Isso é coisa do latifúndio, que quer fazer a Liga passar por algo que não é”. Ele também denunciou que, ao contrário do que vem sendo afirmado, é o latifúndio que tem histórico de sequestro contra funcionários do Incra.

Na audiência foi acordada uma reunião para o dia 28 de novembro, em Brasília, entre uma comissão de camponeses e os representantes do Incra. Até lá, a expulsão por força de ordem judicial está praticamente suspensa.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja