Editorial - 42 milhões rechaçam a podre farsa eleitoral

A- A A+
 

O eleitorado brasileiro conta com 147 milhões inscritos na justiça eleitoral, destes apenas 115,7 milhões compareceram às urnas distribuindo sua preferência a Jair Bolsonaro com 57,7 milhões e a Haddad com 47 milhões e sua rejeição com 11 milhões de votos brancos e nulos. Brancos e nulos somados aos 31,3 milhões completam 42,3 milhões de eleitores que se recusaram a coonestar a mais apodrecida eleição de causar inveja aos senhores feudais da “República Velha”.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

A farsa começa pela invenção dos “votos válidos” para sonegar a verdade da preferência da maioria do eleitorado (metade mais um dos 147 milhões de eleitores cadastrados ou 73,5 milhões mais um) não obtida por nenhum dos candidatos. Assim, o eleito só representa pouco mais de um terço do eleitorado registrado (38,7% ou 57 milhões de votos), para não falar dos excluídos do registro e dos jovens que tem direito ao voto e se recusaram inscrever-se.

Este é o resultado de uma campanha sórdida através das redes sociais levando o pânico e o medo ao eleitor, ora ameaçando-o com fantasmas ora com enxurradas de notícias falsas. Tudo isso para criar um clima  artificial de paixão e ódio e obscurecer a razão. A mais cabal comprovação do seu caráter farsesco é chegar a uma disputa entre enganadores da falsa esquerda oportunista eleitoreira e novos enganadores da extrema direita. A farsa do que venceu acusando seu contentor de viver de mentiras com mentira maior ainda acusando-o de ser comunista. Show mais patético não poderia representar a bancarrota da farsa eleitoral duma republiqueta semicolonial/semifeudal.

Mas o rechaço à farsa eleitoral, que resistiu à violenta pressão para escolher entre um e outro candidato do partido único, deve ser tomada muito a sério, pois que, sinaliza que boa parte do povo brasileiro não se deixou levar pela podre campanha dos dois candidatos e muito menos pela pressão dos reacionários membros da aristocracia religiosa nem de artistas e intelectuais oportunistas que se recusaram a entender que a situação política do Brasil só chegou a tal ponto como fruto de nefasta política de conciliação de classes do PT.

Como a roda gira o dia seguinte ao dia da eleição é dia de cair na real e ver como desmontar as promessas feitas aos pobres uma vez mais iludidos e montar um governo ao gosto dos latifundiários do agronegócio, da grande burguesia, ao mercado e ao imperialismo, principalmente ianque.

Como urubus, os grupos de poder das classes dominantes pugnam entre si e espreitam os movimentos do eleito, para cobrar o seu apoio, antes que outros abocanhem o naco cobiçado.

Tendo feito uma campanha na base do “disse não disse”, o jogo de pressão dos carcarás, do chamado centrão, por cargos na estrutura do Estado que tem promessa do eleito de diminuir pela metade; da confederação da indústria por renúncia fiscal e outros incentivos e do agronegócio pela manutenção dos privilégios, inevitavelmente levarão a crise atual a níveis abismais, afundando a produção, mais desemprego, fome e miséria do povo, com redução de verbas para saúde, educação, transporte, habitação, etc, menos para (in)segurança, donde se impulsionará a repressão mais desembestada contra os pobres do campo e cidade, em nome de combater o “crime organizado”.

Para tentar conter a inevitável rebelião popular frente à brutal exploração por conter a queda dos lucros dos monopólios locais e transnacionais e como única saída para salvar o sistema de seu colapso, o golpe militar contrarrevolucionário preventivo posto em marcha, tomou a forma institucional com a ascensão do capitão reformado ao gerenciamento do velho Estado.

Fato inegável é que, o povo brasileiro, após a funesta experiência de quatorze anos de ilusões do oportunismo eleitoreiro petista para frear a luta de classes, terá ainda que comprovar que a mentira tem pernas curtas e constatar que só com sua mobilização, politização, organização consciente  e revolucionária poderá derrubar a velha ordem, aparentemente, renovada e construir a verdadeira democracia, através da Revolução Democrática.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja