Polícia Civil está protegendo assassinos de Marielle, afirma delator

A- A A+
 

A cúpula da Polícia Civil do Rio de Janeiro está sendo acusada de envolvimento com o grupo que articulou o assassinato da vereadora Marielle Franco, conforme denunciou o “miliciano” e ex-policial militar Orlando de Oliveira Araújo (vulgo “Curicica”), em entrevista para o órgão do monopólio de imprensa O Globo.

Ellan Lustosa/AND
Manifestação em memória de Marielle Franco, outubro, 2018 (foto: Ellan Lustosa/AND)
Manifestação em memória de Marielle Franco, outubro, 2018

“Existe no Rio hoje um batalhão de assassinos agindo por dinheiro, a maioria oriunda da contravenção. A DH (Delegacia de Homicídios) e o chefe de Polícia Civil, Rivaldo Barbosa, sabem quem são, mas recebem dinheiro de contraventores para não tocar ou direcionar as investigações, criando assim uma rede de proteção para que a contravenção mate quem quiser. Diga, nos últimos anos, qual caso de homicídio teve como alvo de investigação algum contraventor?”

Curicica, junto do vereador Marcello Siciliano, foi apontado em delação como um dos mandantes da morte de Marielle e seu motorista Anderson. Desde 19 de junho ele se encontra na penitenciária federal de segurança máxima em Mossoró, no Rio Grande do Norte.

“No dia 10 de maio, o delegado Giniton Lages (titular da DH da Capital)  foi me ouvir, mas já chegou dizendo que tinha ido lá para ouvir eu falar que o Siciliano tinha me pedido para matar a vereadora. Eu disse que isso não era verdade.”, acusa Curicica.

“Ele disse: ‘Fala que o vereador (Siciliano) te procurou e você não quis, e outra pessoa fez’. Como me recusei, ele disse que ia futucar a minha vida e colocar inquéritos na minha conta, que me mandaria para Mossoró e, de fato, foi o que fez. Mas o tempo todo percebi que eles (investigadores) estavam perdidos, sem caminho nenhum.”, continua.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

A repercussão da delação e, inevitavelmente, a desmoralização da “investigação” sob o comando da intervenção militar foram tamanhas que levaram o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, a anunciar, no dia 1º de novembro, que a Polícia Federal vai investigar os próprios investigadores da Polícia Civil envolvidos no caso. O objetivo da “investigação da investigação”, como ele chamou, é apurar as denúncias apresentadas em delação por Curicica. “Vai ter duas investigações em paralelo. A da morte de Marielle continua. Mas vai ter outro eixo, que vai investigar, seja quem está dentro do poder público, ou quem está fora.”, explicou.

Crime político impune

As execuções de Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes completaram oito meses em novembro, sem que o velho Estado tenha sido capaz de esclarecer os assassinatos. Uma execução feita com balas compradas pela Polícia Federal, dias depois de denúncias contra a  violência policial, em um estado que está sob intervenção militar e não se deu ao trabalho de esconder que foi uma execução. Parecia evidente que o objetivo era, além de calar uma militante que estava denunciando seus crimes, demonstrar força e poder para incutir medo naqueles que tentam se mobilizar contra o aparato de repressão do Estado.

Ellan Lustosa/AND
Manifestação em memória de Marielle Franco, outubro, 2018 (foto: Ellan Lustosa/AND)
Manifestação em memória de Marielle Franco, outubro, 2018

Foi uma execução que não procurou disfarçar seu caráter de classe, indicando a clara intenção de passar um recado àqueles que buscam combater os crimes das forças repressivas do velho Estado. Uma mulher negra, vinda da Favela da Maré, sufragada como vereadora, que sustentando pautas de caráter reformista contra as milícias, aos ataques policiais às favelas e ao genocídio do povo pobre, virou alvo quando antagonizou com os interesses daqueles que lucram e se beneficiam da violência e do crime na cidade, demonstrando que a via legalista e da falsa democracia não pode resolver os problemas aos quais ela dedicou-se a denunciar.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja