No que deu a colaboração de classes petista

A- A A+
 

No início de século XXI a América Latina, principalmente a sua porção que vai da Venezuela ao Uruguai, vivia o desenvolvimento de uma situação revolucionária. A crise do sistema imperialista, a partir do interior da superpotência hegemônica única, o USA, com as bolhas especulativas nas bolsas de valores e logo com a grande crise do setor imobiliário, desatou crise financeira e econômica mundo afora.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

A crise que estalou na Argentina e se estendeu ao Uruguai, Paraguai, Brasil, afetando inclusive o Chile e Equador, era parte da crise econômica internacional que produz permanentes problemas como as quedas das bolsas de Wall Street e da Europa, e a quebra de gigantescas empresas como a WorldCom, em meio a escândalos pela falsificação de balanços e outros. Tratava-se de uma crise do sistema capitalista em seu conjunto.

Em vários países como Venezuela, Argentina, Bolívia e Equador as massas se levantaram em protestos cada vez mais massivos e violentos capazes de derrubar presidentes. No Brasil, o descontentamento e indignação das massas prestes a explodir em manifestações violentas foram desviados do caminho da luta para as ilusões eleitoreiras apregoadas pelos acenos de esperanças do PT. A vitória na farsa eleitoral levou Luiz Inácio e o PT à condição de gerente do velho e apodrecido Estado brasileiro, adiando por mais de 12 anos o levante levado a efeito pelos demais povos da América do Sul.

Quando a crise econômica desatou-se em todo o mundo levando o povo brasileiro à beira da rebelião geral, foi o oportunismo petista quem o desviou de seu caminho

Em seu Editorial do nº 10, de junho de 2003, intitulado Novo governo de traição nacional, o AND apontava a conciliação e colaboração de classe como a base da traição nacional petista.

“O sincretismo político-ideológico que formou a elite petista não é tão mecânico e imediato quanto aparenta. A elite petista não se converteu recentemente. Não foi há poucos dias que concluiu cursos nos institutos contrarrevolucionários dirigidos pelo imperialismo, como o Iadesil (Instituto Americano para o Sindicalismo Livre), mas ela tem raízes profundas na ideologia e na política feudais, no capitalismo decadente do fascismo clássico e do fascismo sofisticado de nossos dias.

A elite petista, uma escória saída da pequena burguesia tecnocrática, foi absorvida, isto sim, pelos especialistas em negócios do governo e admitida na administração auxiliar do imperialismo em nosso país, principalmente, firmando um continuísmo regido à maneira das prefeituras municipais que se submetem ao poder centralizador, dominante. Não por acaso, a direção petista, quando ainda ensaiava os trejeitos debutantes que adotaria na rampa do poder, marcou orgulhosa a sua primeira medida - a de reconhecer obediência ao capital monopolista internacional.”.

Dando prosseguimento aos gerenciamentos pós-regime militar fascista, o gerenciamento petista manteve todos os acordos lesivos à nação brasileira, como os acordos com o FMI e o Banco Mundial, adotando as políticas ditadas pelo sistema financeiro internacional, como a nomeação de Henrique Meirelles, agente do FMI, para o Banco Central. Aceitando todas as modificações realizadas na revisão na Constituição de 1988, da qual foram retirados vários avanços, como a caracterização de empresa nacional, e sem providenciar a regulamentação de direitos pendentes na mesma, como o direito de greve.

Sua covardia diante da extrema-direita levou-o a fazer acordos para preservação de toda estrutura repressiva do regime e, inclusive, do currículo dos cursos de formação de oficiais da Forças Armadas, baseado na famigerada Doutrina de Segurança Nacional elaborada e imposta pelos ianques, ao final dos quais eram homenageados os “Generais ditadores” como patronos de cada turma. Não pararam aí os seus serviços ao latifúndio, à grande burguesia burocrática e ao imperialismo: para segurar a inquietação das massas adotou um projeto que combinava a aplicação das “políticas compensatórias” receitadas pelo Banco Mundial com programas tipicamente fascistas de corporativização das massas miseráveis para arregimentar “curral eleitoral” e massas de manobra. Embrulhou tudo no que pomposamente enunciou como “desenvolvimentismo popular”.

Associando-se ao latifúndio, travestido de agronegócio, boicotou a tímida reforma agrária da época de Cardoso, a demarcação de terras indígenas e quilombolas. Ressuscitou as surradas teorias desenvolvimentistas já comprovadas como tentativas fracassadas de salvar o capitalismo burocrático inerente às colônias e semicolônias. Enquanto levava à falência milhares de empresas nacionais, elegia meia dúzia de super-empreiteiras como as apadrinhadas pelo BNDES, concedendo-lhes isenções fiscais e juros subsidiados.

Governo Bolsonaro fracassará e será sacudido por crises para decidir qual caminho vai seguir: o fascismo corporativista ou o regime demoliberal mais reacionário e maquiado

Prova da insuficiência de seu “desenvolvimentismo” é que o programa Bolsa Família não foi concebido como um programa emergencial enquanto não crescesse mais o mercado de trabalho. Ao contrário, essa “mão de obra” assistida passou sistematicamente a ter crescimento exponencial. Servindo-se dos vícios e privilégios da politicalha os petistas só fizeram reproduzir a velha ordem, inclusive aportando mais legislação para aumentar a repressão sobre as massas.

As manifestações de 2013 como explosão das massas foram o toque de finados do oportunismo petista.

Sua política de conciliação e colaboração de classes obscureceu o verdadeiro caráter de classe do apodrecido Estado brasileiro, como ficou claro nas últimas eleições em que muitos que antes foram iludidos com Lula e o PT, desta vez se iludiram com um fascista. Bolsonaro é o retrato mais fiel da falência desse podre sistema político e sistema econômico de exploração e opressão do povo e subjugação da Nação. Seu governo será o conluio das frações das classes dominantes para aumentar a exploração dos trabalhadores e a rapina imperialista das riquezas da Nação. Porém, será também, em maior escala, de aguda pugna entre essas facções, pela decisão de que sistema político escolherão para tentar salvar o capitalismo burocrático afundado em crise: um regime corporativo e fascista ou o regime demoliberal já tão desmoralizado, maquiando sua fachada, para o que os ianques lançaram a Operação “Lava Jato” e impuseram seu “herói” Moro num superministério.

Só através da dura e persistente luta de resistência popular, guiada pela linha de classe, em defesa dos direitos pisoteados e contra o saqueio de nossas riquezas pelo imperialismo, principalmente ianque, pelo caminho da revolução democrática é que nosso povo irá, parte por parte, separar o joio do trigo nas disputas políticas no país, e dar solução aos graves problemas de que padece, com uma nova democracia e verdadeira independência nacional.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja