Editorial - Greve geral contra o corte de direitos e o golpe militar em curso

A- A A+
 

A luta pela revogação de leis trabalhistas, de arrocho aos direitos dos trabalhadores, contra a “reforma da Previdência” ditada pelos bancos e em defesa do direito e da liberdade de organização e de manifestação exige, de imediato, a unidade de ação no movimento sindical. Com o fim da política corporativista do oportunismo petista na gerência do velho Estado, limpa-se o terreno para a luta por um movimento sindical que imponha a linha de classe como condição para levar a luta à vitória.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

O gerenciamento de turno do velho Estado que se iniciará é explicitamente fundado na subjugação nacional e sabujice para com o Tio Sam, condição subalterna expressa na continência militar do eleito a funcionários do imperialismo ianque. Sua natureza anti-operária e vende-pátria, patente e anunciada pela completa dilapidação do patrimônio nacional, liquidação da Previdência Social e retirada de direitos dos trabalhadores, dos povos indígenas, dos quilombolas e dos camponeses sem terra, só poderá ser barrada pela ampla mobilização liderada pelo classismo.

Ainda está viva na memória de todos a greve dos caminhoneiros como uma demonstração cabal do poder de união dos trabalhadores que recebeu o apoio da população, evidenciando a justeza de suas reivindicações.

Naquele momento, o movimento sindical em sua maioria estava preso aos grilhões do corporativismo petista que durou 14 anos, sabotando a luta justa dos trabalhadores. Inclusive, alguns representantes do sindicalismo neo-pelego acusaram o movimento dos caminhoneiros de ser pura “armação da direita”, epíteto que lançavam a tudo que não era de sua lavra. Isto impediu uma unificação do movimento com a explosão de uma greve geral nacional, que poderia dar outro rumo à situação política do país.

A quadrilha de Temer fez de tudo para liquidar a fatura de uma contrarreforma das leis trabalhistas e previdenciárias, tentando se aproveitar de um momento de desmobilização da classe operária e de frustração geral do povo com a politicalha, mas mesmo assim não conseguiu deixar o prato feito a seu sucessor.

O maior boicote à farsa eleitoral, em todos os tempos, foi a demonstração maior de que as massas não estão dispostas a seguir sob a tremenda exploração que a crise do capitalismo burocrático no Brasil impõe, agravada pela crise geral do imperialismo em todo o mundo.

Não é à toa que o planejado golpe militar preventivo ao inevitável levante das massas tomou a forma da eleição do candidato da extrema-direita. Porém, uma “vitória de Pirro”, uma vez que Bolsonaro foi escolhido pela minoria do povo brasileiro e porque seu governo será palco de intensa pugna entre promessas juramentadas da extrema-direita com a própria direita e centro-direita (militar-civil), prosseguindo e aprofundando a crise política que não pode tirar o país da crise econômica a curto prazo. O “novo” que se apresenta é a conformação de um gerenciamento composto por generais direitistas, velhas raposas do desmoralizado parlamento e por burocratas de alto coturno e economistas amestrados nas universidades ianques com cursos de especialização em subjugação nacional.

O movimento sindical sob a linha classista está desafiado a vanguardear uma possante mobilização nacional, através da preparação de uma greve geral nacional pela revogação dos cortes de direitos dos trabalhadores, contra a “reforma da Previdência” e para barrar a ofensiva contrarrevolucionária em curso no país.

Levantar bem alto a bandeira da Greve Geral de resistência democrática nacional!

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja