Bule recorta anos 80 e cria o novo 

A- A A+

Projeto de música brasileira, dançante e tropical, a pernambucana banda Bule explora timbres, sonoridades e substâncias da música dos anos de 1980, juntando o orgânico e o eletrônico, o beat e a conga, o synth e a guitarra. Nascida em Recife, a banda tem em sua base canções autorais, com uma identidade sonora e visual própria que aparece em seu primeiro disco, lançado há dois meses.

Jonathan Oliveira
Os membros da banda estão muito animados com o projeto
Os membros da banda estão muito animados com o projeto

— A banda começou a surgir no final de 2016, quando passamos a nos encontrar e ficar todo o tempo compondo. Quase todos já se conheciam por outras bandas, já tinham tocado juntos em shows etc, isso desde a época de adolescentes, tendo bandas juntos, enfim, Bule nasceu dessa afinidade musical que já tínhamos, os timbres dos anos oitenta já eram coisas que vínhamos escutando — fala Daniel Ribeiro, componente da banda.

— Fomos trocando essas figurinhas, conhecendo novas bandas e mergulhando no universo musical dos anos 80, música brasileira e de outros países. Pedro e Carlos, por exemplo, estudavam produção fonográfica juntos, então iam todos os dias para a faculdade escutando discos, maturando timbres, etc. — continua.

— E o interessante é que todo mundo da banda nasceu no começo dos anos 90, porém essa música é um gosto musical que realmente temos em comum. Nosso objetivo é tocar em festivais, turnês, mostrar o nosso trabalho circulando dentro da cena musical brasileira, que é bem rica — expõe.

Depois de bastante tempo trabalhando e amadurecendo repertório, chegou a hora de escolher um nome que tivesse sentido dentro do ideal da banda.

— O projeto já vinha se desenrolando há um ano e meio, nos encontrávamos semanalmente para compor e produzir as música que iriam representar a banda que estávamos montando, então o nome teria que entrar nesse contexto. Já havíamos colocado em pauta que seria um nome curto, e depois de conversas decidimos por Bule — conta Daniel.

— Além de ser uma palavra brasileira, foneticamente falando, e nós prezamos por isso, o nome se relaciona com bulir, mexer, que lembra como começamos: nos encontrando para mexer com as músicas, fazer nossas produções em casa mesmo, do jeito que dava. O nome também se relaciona com o bule que ferve a água, e nós fervemos nossa sonoridade em encontros, reuniões, antes de botar a cara no mundo — explica.

— Porque apesar de estarmos há dois anos produzindo, somente em março passado aparecemos para o mundo, e em novembro conseguimos lançar o nosso EP, com cinco faixas. Pretendemos colocar nossas músicas, vídeos que fizemos, o nosso material na internet, e vamos lançar uma música por semana — complementa.

Construindo um universo sonoro

— A banda é autoral, e pelo fato de termos nos reunido duas vezes por semana durante um ano e meio, mais ou menos, para compor, temos umas vinte músicas engatilhadas para trabalhar em outros discos. Até temos um certo interesse em pequenas versões de alguns artistas, mas o nosso intuito mesmo é ser autoral, caso façamos alguns covers, serão versões mais curtas e adaptadas ao nosso estilo — fala Daniel.

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja