Onde as paralelas se encontram

A decisão mais importante do Supremo Tribunal Federal em seus 127 anos foi entregar uma mulher grávida à Alemanha nazista. De seus atuais integrantes, 8 deles estão dispostos a superar tal feito e provocar uma hecatombe cultural e civilizatória. Foi o que mostraram em 12/09, num julgamento sobre “ensino” domiciliar (homeschooling, ideia propagada a partir dos USA).

Banco de dados AND
Decisão sobre obrigatoriedade do ensino regulamentado pelo Estado será dada pelo STF
Decisão sobre obrigatoriedade do ensino regulamentado pelo Estado será dada pelo STF

Luís Roberto Barroso pretendia desobrigar, desde já, pais e mães de matricular crianças na escola. Alexandre de Moraes, Cármen Lúcia, Edson Fachin, Gilmar Mendes, José Antônio Dias Toffoli, Marco Aurélio e Rosa Weber disseram que autorizarão isso se (ou quando) o Congresso aprovar uma lei em tal sentido. Apenas Luiz Fux e Ricardo Lewandowski leram o art. 208, I da Constituição, em cujos termos “o dever do Estado com a educação será efetivado mediante a garantia de educação básica obrigatória e gratuita dos 4 (quatro) aos 17 (dezessete) anos”.

Na Câmara, já tramitam dois projetos de lei com esse fim: 3179/2012, do pastor Lincoln Portela, e 3261/2015, de Eduardo Bolsonaro – cujo pai é o novo gerente do Estado brasileiro – que propõe tirar crianças da escola recorrendo ao ensino à distância desde o nível fundamental.

Partisse de pais de crianças autistas, com síndrome de Down ou superdotadas (grupos que sofrem com o despreparo, a discriminação e a indiferença do sistema escolar), o ensino doméstico continuaria sendo uma má ideia pelo prejuízo à socialização extrafamiliar delas, mas seus impulsores mereceriam respeito e uma solução para suas angústias. Mas não. Quem o reivindica são dementes cujo fanatismo religioso os inabilita à guarda dos filhos; e quem o promove são traficantes que não permitem, em suas casas, o uso da droga que vendem à pequena-burguesia ignara.

O site Sempre Famílias, que difunde a prática e cujo nome parece coisa de mafiosos do sul da Itália, é mantido pelo Grupo Paranaense de Comunicação, isto é, por Guilherme Cunha Pereira, membro numerário do Opus Dei. Por mais pios que sejam e por mais dinheiro que tenham para dar os melhores professores e recursos didáticos a seus filhos em casa, os Cunha Pereira, Silva Martins e Ancona López não os privam da socialização escolar, ainda que restrita a sua classe de origem e, às vezes (mas nem sempre), à pedagogia retrógrada dos colégios do Opus.

No caso julgado pelo STF, um casal tentava eximir-se de enviar sua filha à escola alegando que “discorda de algumas imposições pedagógicas do ensino regular”, como a aprendizagem da evolução das espécies, pois é “criacionista e não aceita como viável ou crível que os homens tenham evoluído de um macaco” (sic).

A confissão tem valor de prova: esses pais não buscam proporcionar à menina conhecimentos ou experiências além, e sim aquém do que lhe dá uma escola que cumpre mal seu papel. O que querem é priva-la de qualquer informação que transcenda sua redoma de ignorância e preconceitos, na qual se “aceita crível” que a Terra é plana e foi criada em 6 dias.

O papel da escola não é fazer o que os pais querem, mas o que as crianças precisam. Aceitar o homeschooling é como aceitar que a decisão de vacinar ou não crianças caiba aos pais, e não ao Estado. Ambas aberrações têm defensores em comum, como o pastor Júlio Severo.

O próprio STF elaborou uma apostila com 14 decisões judiciais de diversos países sobre frequência, duração e conteúdos escolares. Em apenas uma, os pais, louvavelmente, tentavam proteger seus filhos, disléxicos, dos castigos físicos que o sistema escolar britânico autoriza seus professores a impor às crianças. Situação oposta à do Brasil, onde os propagandistas notórios do “ensino” em casa são, frequentemente, os mesmos das agressões físicas a crianças sob pretexto de disciplina, não na escola, mas no âmbito familiar – caso do mesmo Júlio Severo. Nos demais, se pretendia impor, sob a máscara da liberdade de culto, a tirania de pais e igrejas sobre as crianças.

Na Turquia, um partido recorreu à Corte Constitucional contra a ampliação do ensino fundamental para 8 anos, alegando que ela prejudicaria um tipo de escola secundária voltado à formação de pregadores islâmicos; e contra a determinação legal de “que os indivíduos fossem educados em tipos de escolas e sob programas de ensino adequados às suas vocações e habilidades”, na qual viu uma “violação à liberdade de religião e ao direito dos pais de determinar a educação dos filhos”.

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin