A extrema miséria que bate a porta

Mais de 15 mil pessoas vivem nas ruas da capital Rio de Janeiro, segundo estudo da prefeitura de 2016. As praias, à noite, transformam-se em albergues não oficiais. Indivíduos sozinhos, mulheres, crianças e até famílias inteiras sem teto para morar são sufocados pelo desemprego (cuja simples ideia basta para assombrar a consciência de todos os brasileiros), pelo alto custo de vida - especialmente do aluguel - e, consequentemente, pela miséria.

“O abrigo é um depósito de gente, que eles acham que vão resolver alguma coisa, mas não resolve nada. Prioriza documento, mas pressiona para ir embora logo. Não tem curso, não existe reintegração social. O que eles falam, lá no cartaz, é tudo mentira. Tem um prazo de nove meses, entendeu? Tem um prazo. Vou morar na rua de novo. Eles mesmo falam, da boca deles, que vão mandar nós para rua de novo. Queria trabalhar, ter um emprego, não sei. Alguma coisa para ocupar a mente, mas não tem nada. Você fica parado o dia inteiro”, contou  Lúcio Pessanha, morador de um abrigo no município do Rio em entrevista concedida ao monopólio de imprensa em 2017.

A imensa maioria dos moradores de rua são membros de famílias oriundas da zona rural, expulsos de lá pela concentração de terras na mão de um punhado de latifundiários. Enquanto na cidade, foram submetidos à exclusão por um capitalismo tardio, débil e enfermo que, por natureza, não é e nunca será capaz de oferecer emprego a todos. Pagar aluguel, para esse setor profundo do proletariado que cai na indigência, é luxo. A resolução de tão grave problema passa então pela compreensão e construção de resistência às causas da sua origem.

Nessas condições, aumenta o número de usuários de crack – pessoas jogadas à desesperança e ao completo vazio material e de espírito –, fazendo crescer todos os problemas da metrópole. Esses problemas, queiram ou não aqueles que deles se beneficiam, só poderão e certamente serão resolvidos por uma grande e profunda transformação social.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin