Ataques em Fortaleza são resultados da perversa política carcerária

A- A A+
Pin It

Desde o dia 2 de janeiro, uma série de ataques tomou conta das ruas de Fortaleza e de todo o interior do estado do Ceará. Pelo menos 160 ataques ocorreram em 41 municípios da região, cujos alvos são prédios públicos e governamentais como Câmaras legislativas, prefeituras, quartéis policiais, delegacias, pontes, viadutos e ônibus. Até o momento, 215 pessoas foram detidas “suspeitas” de atuarem nesses ataques.

Alex Gomes/O Povo
Ônibus incendiado em ondas de ataques em Fortaleza (foto: Alex Gomes/O Povo)
Ônibus incendiado em ondas de ataques em Fortaleza

Os ataques são ordenados por grupos que atuam dentro e fora das prisões em protesto às péssimas condições e às novas medidas penitenciárias aplicadas no estado. A principal delas é juntar, em um mesmo presídio, membros de grupos rivais e “discipliná-los” na violência generalizada. As medidas foram anunciadas pelo novo secretário de Administração Penitenciária do estado, o policial civil Luís Mauro Albuquerque, nomeado pelo governador petista Camilo Santana.

Os ataques prosseguiram em massa mesmo após a chegada de 500 homens da Força Nacional de Segurança, no dia 4 de janeiro, e 100 agentes especialistas em explosivos da Polícia Militar (PM) do estado da Bahia.

Violência policial contra os pobres

Enquanto isso, as massas populares estão submetidas ao terror policial que ocorre após cada ataque. Invasões de casas, agressões e execuções de pessoas inocentes pelas ruas são algumas das práticas utilizadas pela PM para “restabelecer a ordem”.

“No dia 7 entraram na minha casa acusando meu filho de estar colocando fogo em ônibus, procuraram por gasolina. Não pedem nem autorização” denunciou Alcilene, 41 anos, moradora da comunidade Genibal. “No dia 9 eles passaram aqui e espancaram os meninos, jogaram spray de pimenta e falaram que quando eles voltarem vai chegar abrindo fogo porque ‘aqui só tem vagabundo’, palavras deles.”, prosseguiu.

“Eles [policiais] bateram no meu filho, não acharam nada e bateram nele porque eles fazem o que querem. Já chegaram humilhando, dizendo: ‘Mão na cabeça, arrombado vagabundo!’. A namorada do meu filho, de 15 anos, foi obrigada a levantar a blusa. Quando eu fui falar algo eles disseram: ‘está achando ruim? Levo ele ou levo você por desacato’.”, relatou Alcilene.

“Na hora estava uma amiga da minha filha que é lésbica. Bateram nela porque eles queriam que ela fosse para o escuro onde meu filho estava, ela disse que não iria, daí bateram nela. O policial disse: ‘você não quer ser homem, então vai apanhar feito homem’. Tudo isso na presença da minha neta, de 1 ano.”, concluiu.

“A polícia não consegue resolver e mata gente inocente. Mataram três pessoas porque eles iam chegando e uns meninos correram com medo de apanhar, daí mataram eles com tiro na cabeça. Já chegaram atirando. Isso foi no dia 6, num bairro chamado Lagoa Redonda.”, contou Maninha.

‘Todas as facções nascem dos presídios’

A equipe de AND conversou com a professora Vera Malaguti, professora da Universidade Estadual do Rio de Janeiro e Secretária geral do Instituto Carioca de Criminologia sobre a situação do Ceará.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia
 

“Todo o problema que ocorre no Ceará deriva-se do fato de o capitalismo ser uma máquina de produzir barbárie, miséria, precarização e, nesse contexto, precisa de um controle brutal sobre os povos do mundo. A questão da segurança pública desenvolve-se hoje como uma guerra, tomando uma forma bélica para lidar com o levantamento dos pobres contra essa miséria e para enriquecer essa indústria. E isso tudo gerou o problema que estamos assistindo: um enorme encarceramento em massa, um sem número de presos todos os dias.”, fundamentou.

Vera qualifica a situação prisional de “inadministrável dentro dos marcos colocados pelas políticas públicas atuais”. “A situação só pode ser administrada prendendo menos gente: aumentar as redes de proteção à pobreza e aos familiares dos presos”.

“Todas as facções surgem da prisão, da violência e das péssimas condições das prisões, e são essas condições que obrigam os milhares de homens ali jogados a se organizarem e alimentarem as facções. Basta pensar nas condições desumanas que reinam nos presídios do Ceará, Rio de Janeiro e em todo o país.”, explicou.

Assim sendo, os ataques no Ceará e o crescimento das facções são resultados inevitáveis de uma política de encarceramento, a qual advoga Bolsonaro.

“O discurso do secretário da questão penitenciária do Ceará, de que basta juntar as facções num único presídio, só vai gerar um genocídio enorme. É um delírio achar que o problema será solucionado dessa forma.”, concluiu.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond
Sebastião Rodrigues
Vera Malaguti Batista

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja