Editorial - Tragédia anunciada


A gerência FMI-PT mantém intocáveis todos os atos lesivos aos interesses nacionais — perpetrados por ela propria e pelos que se sucederam pós 64. Nenhuma medida antinacional foi revogada, inclusive, ela se adianta em aplicar o que ainda carece de aprovação do pseudo-parlamento. E, quando se trata de determinações da metrópole, assegura a execução de todas as medidas cabíveis.

A manutenção do decretro de Cardoso que criminaliza a luta pela terra e os despejos acertados com latifundiários, em Gabinete, pelo governador Aécio Neves, sinalizaram o massacre dos camponeses de Felisburgo. Não há, pois, como isentá-los de responsabilidade por esta tragédia. Ao declarar, pereptoriamente, que não muda a política econômica da administração FMI-PT, mantém intacta a velha e carcomida estrutura política e ideológica que funciona segundo os interesses do latifúndio e da grande burguesia, bases do imperialismo em nosso país.

Esta é, também, a maior confissão de sabujisse já pronunciada pelo atual gerente colonial. Ou ele não muda porque não pode, diante dos compromissos assumidos com o império; ou não muda porque não quer, por estar convencido que esta é a melhor política para o país. Em qualquer dos casos, não serve ao Brasil.

Seus ouvidos são todos para para os sanguessugas internacionais, que por aqui fazem escala, em suas viagens de negócios.

Não quis ouvir o recado das eleições, nem mesmo o de São Bernardo do Campo, cujos eleitores, ao receberem carta sua indicando para prefeito o global Vicentinho, reponderam elegendo o adversário com 76% dos votos , em primeiro turno.

Também, desdenhou os estudantes, que em Alagoas marcaram seu protesto com ovos e tomate: — eles não sabem por que gritam.

Se não tem ouvidos, muito menos terá olhos para enxergar que o povo já começa a por fim ao latifúndio, quebrar as centrais amarelas e fazer prevalecer a indepêndencia e a soberania nacional.

 

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de Apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro

E-mail: [email protected]om
Reuniões semanais de apoiadores
todo sábado, às 9h30

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda (licenciado)
Victor Costa Bellizia (provisório)

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão (In memoriam)
Henrique Júdice
Matheus Magioli Cossa
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação
Ana Lúcia Nunes
João Alves
Taís Souza
Gabriel Artur
Giovanna Maria
Victor Benjamin

Ilustração
Victor Benjamin