PCI (Maoista) convoca povo contra a Operação ‘Samadhan’

O Comitê Central (CC) do Partido Comunista da Índia (Maoista) emitiu um documento convocando todos os comunistas, revolucionários e movimentos democráticos a lutarem contra a Operação “Samadhan”, uma operação contrarrevolucionária levada a cabo pelo governo semicolonial e semifeudal indiano contra todas as forças maoistas do país. O comunicado, datado de 2 de dezembro de 2018, foi veiculado por sites internacionalistas no fim de janeiro e convoca todos os revolucionários, democratas e massas a uma semana de protestos contra a ofensiva reacionária. 

A estratégia do velho Estado indiano, encabeçado hoje pelo Narendra Modi, membro do BJP (“Partido do Povo Indiano”, sigla original para este partido hindu-fascista), é aniquilar todos os membros do Exército Guerrilheiro Popular de Libertação (EGPL), dirigidos pelo PCI (Maoista), até o ano de 2022.  

O governo Modi anunciou o início do plano contrarrevolucionário “Samadhan” no dia 8 de março de 2018. Estavam presentes na reunião de preparação da estratégia militar o Ministro do Interior da União, Rajnath Singh – que presidiu a sessão –, além de oficiais de inteligência, paramilitares e os principais burocratas do país, além de outros ministros. 

A Operação “Samadhan” foi estabelecida após uma série de ataques bem sucedidos do EGPL, com a participação das massas, contra a fracassada operação militar anticomunista “Caçada Verde”. O CC do PCI (Maoista) destaca principalmente o ataque maoista contra tropas do velho Estado em Burkapal, em 24 de abril de 2018, no distrito de Sukma, estado de Chhattisgarh. 

“Samadhan” tem se mostrado o maior e mais ofensivo plano contra os maoístas e contra a revolução popular na Índia. O PCI (Maoista) relata que o governo fascista-hindu de Modi tem contratado grupos paramilitares e mercenários que cometem todo o tipo de atrocidade contra as massas camponesas, buscando amedrontá-las para afastá-las dos maoistas.

“Todos os tipos de ataques fascistas, incluindo prisões – em grande escala arbitrárias –, detenções forçadas, demolições de casas, estupros em massa, destruição e pilhagem de propriedade de multidões estão sendo conduzidos de forma agressiva.”, denunciou o PCI (Maoista).

NÃO SAIA AINDA… O jornal A Nova Democracia, nos seus mais de 18 anos de existência, manteve sua independência inalterada, denunciando e desmascarando o governo reacionário de FHC, oportunista do PT e agora, mais do que nunca, fazendo-o em meio à instauração do governo militar de fato surgido do golpe militar em curso, que através de uma análise científica prevíamos desde 2017.

Em todo esse tempo lutamos e trouxemos às claras as entranhas e maquinações do velho Estado brasileiro e das suas classes dominantes lacaias do imperialismo, em particular a atuação vil do latifúndio em nosso país.

Nunca recebemos um centavo de bancos ou partidos eleitoreiros. Todo nosso financiamento sempre partiu do apoio de nossos leitores, colaboradores e entusiastas da imprensa popular e democrática. Nesse contexto em que as lutas populares tendem a tomar novas proporções é mais do que nunca necessário e decisivo o seu apoio.

Se você acredita na Revolução Brasileira, apoie a imprensa que a ela serve - Clique Aqui

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Avenida Rio Branco 257, SL 1308 
Centro - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: [email protected]

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também:
https://www.catarse.me/apoieoand

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Victor Costa Bellizia

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Galhasi de Oliveira
José Ramos Tinhorão 
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Matheus Magioli Cossa
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ana Lúcia Nunes
Rodrigo Duarte Baptista
Vinícios Oliveira

Ilustração
Taís Souza