Brumadinho: Vale e seus cúmplices do governo federal e estadual têm que pagar

A- A A+

Enviamos ao jornal este breve relato da delegação do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção de BH e Região (Marreta), Liga Operária e do Movimento Estudantil Popular Revolucionário (MEPR) que foi até Brumadinho após o criminoso rompimento da barragem do Feijão, da Vale, naquele município.

Márcio Fernandes de Oliveira, Estadão
Moradores de Brumadinho observam a destruição que atingiu a comunidade da Vila da Feterco (foto: Márcio Fernandes de Oliveira, Estadão)
Moradores de Brumadinho observam a destruição que atingiu a comunidade da Vila da Feterco

Fomos até as áreas atingidas, visitamos as casas de moradores, conversamos com trabalhadores e moradores locais em Brumadinho, próximo das instalações da Vale e no povoado do Córrego do Feijão.

Pelas ruas de Brumadinho, para além da dor e destruição causadas pela Vale e seus cúmplices dos governos, nos deparamos com pessoas tristes e apreensivas a procura de notícias de parentes ou conhecidos. O que se via é que os atingidos não podem contar com uma autoridade civil para dar solução às suas demandas. Há, sim, muitos policiais militares e civis e agentes à paisana, além daquelas pessoas claramente identificadas como “da Vale”.

Os bombeiros, em seu incessante trabalho de resgate, contam com o apoio e apreço da população.

A Vale, além de tentar monopolizar o atendimento médico e assistência psicossocial aos atingidos, vinha realizando o cadastro das famílias atingidas com a promessa de “indenização extrajudicial”. O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) denunciou o fato de a mineradora ter contratado a Sinergia, mesma empresa responsável pelo cadastramento de famílias atingidas pela barragem de Fundão em Mariana, para realizar esse trabalho em Brumadinho. A pedido das Defensorias Públicas da União e de Minas Gerais, o Ministério Público impediu que isso continuasse sendo feito.

No vilarejo do Córrego do Feijão percorremos casa por casa dos moradores distribuindo o boletim do Marreta e da Liga Operária.

Ouvimos denúncias e relatos contundentes, como o de um senhor que está acolhendo em sua casa as suas duas filhas que perderam seus maridos soterrados pela lama. Ele nos relatou que tudo o que tem recebido (desde comida a roupas) é fruto de doações. Foram tantas ações espontâneas de solidariedade das massas que os órgãos oficiais passaram a emitir comunicados dispensando doações e voluntários. De fato, a imediata mobilização das massas para doar alimentos, água potável, roupas e outros itens de primeira necessidade, além dos voluntários que se dirigiram a Brumadinho para prestar todo tipo de auxílio aos atingidos, é muito maior que as ações do velho Estado.

Moradores e trabalhadores que ouvimos nos relataram que desde abril do ano passado havia denúncias sobre a insegurança da barragem. Em novembro houve uma simulação na vila do Córrego do Feijão e uma senhora nos disse que, no momento da ruptura da barragem, quem correu para onde foi orientado durante a simulação morreu; os que decidiram seguir seus instintos e buscaram locais mais elevados sobreviveram.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia

Um casal de idosos nos recebeu diante de sua residência e repetiu aquilo que já haviam dito aos agentes da Vale que passaram antes por ali: “Daqui não saímos”. “Isto aqui é tudo o que temos e agora querem nos tirar daqui. Para onde vamos? A Vale tem que nos dar outra casa.”.

Operação ‘abafa’

Quando as primeiras imagens do rompimento da barragem foram divulgadas, a primeira manifestação nos monopólios foi de choque e indignação. Quando foram divulgados os detalhes das imagens que mostravam pessoas sendo engolidas pelo tsunami de lama e o resgate das primeiras vítimas, cresceu a cobrança por esclarecimentos e medidas para que isto não se repita. Passados poucos dias, o que vemos por parte do monopólio da imprensa é uma verdadeira operação “abafa” para livrar a Vale e seus diretores de responsabilidade criminal. Afora as campanhas publicitárias milionárias “lamentando” o ocorrido, os âncoras dos jornalões passaram a ponderar a “grande importância da Vale para a economia nacional” e a difícil retomada da rotina para os atingidos.

O sentimento de revolta contra a exploração mineral predatória e os crimes que se dão através dela têm tomado forma de protestos em todas as regiões do país. Somente em Minas Gerais, até o fechamento deste texto, oito explorações da Vale tiveram seus trabalhos interrompidos por determinações judiciais.

O povo clama por justiça. Uma senhora que perdeu muitos amigos e conhecidos nos disse: “não devia ter essas barragens, isso foi um crime, não foi por acaso. Eles sabiam! A Vale só quer dinheiro. Não se importa com trabalhador, pobre, com Brumadinho. Muitos trabalhadores daqui trabalhavam lá e foi uma perda muito grande. Essa Vale tinha era que sumir daqui e acabar!”.

A história de nosso país é marcada pelo roubo de nossas riquezas naturais e dos mais bárbaros crimes cometidos pelas classes dominantes contra o povo. É também uma história de contínua luta e revolta das massas. Toda a dor e sofrimento de nosso povo deve se converter em organização e revolta contra a exploração, opressão e a espoliação da pátria!

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas (In memoriam)
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja