Mulheres fazem ato contra a Vale em Brumadinho

A- A A+

O Dia Internacional da Mulher Trabalhadora, 8 de março, foi celebrado pelo Movimento Feminino Popular (MFP) com um ato no centro da cidade de Brumadinho (MG) de denúncia dos crimes da Vale. Participaram do ato, além deste movimento, companheiras e companheiros da Executiva Mineira dos Estudantes de Pedagogia (ExMEPe), do Movimento Estudantil Popular Revolucionário (MEPR), do Sindicato Marreta e da Liga Operária.

Movimento Feminino Popular
Ativistas queimam boneco representando o diretor-executivo da Vale, em Brumadinho (foto: Movimento Feminino Popular)

Os manifestantes percorreram as ruas de Brumadinho com faixas e bandeiras e distribuíram o boletim do MFP. Denúncias sobre o papel da Vale também foram feitas pelo protesto, que caracterizou a megaempresa como “assassina e terrorista”.

Ao longo do trajeto palavras de ordem foram entoadas como Não passará, não passará! Vale assassina o povo vai cobrar! e Vale assassina, Vale assassina! Fora o imperialismo da América Latina!. Houve total apoio dos moradores da cidade que vivenciaram o terror causado pela lama que matou centenas de trabalhadores e também destruiu o meio natural no entorno da cidade.

No final do ato, o MFP e as demais organizações presentes queimaram um boneco representando o diretor-executivo da Vale, que até o momento não foi submetido a nenhuma punição. Os manifestantes denunciaram que os diretores da Vale são os principais criminosos e os governantes são os seus cúmplices.

A compreensão de que o dia 8 de março é um dia de luta e de resistência foi marcada neste ato. As mulheres que estiveram à frente demonstraram a disposição de luta, apontando que o único caminho para a transformação da nossa nação se dará por meio de uma revolução.

O ato representou a posição do MFP em destacar o papel da mulher nas lutas pela transformação radical da sociedade e contra o saqueio das riquezas do nosso povo, defendendo a necessidade da nacionalização do minério e o desenvolvimento da industrialização a serviço da nação e não do imperialismo, como vem acontecendo.

Outras celebrações

O MFP realizou celebrações e manifestações em outras partes do país por ocasião do Dia Internacional da Mulher Proletária. No Rio de Janeiro, pelo menos 80 pessoas participaram da celebração, dentre mulheres do povo e ativistas do movimento popular. O ato político contou com uma exposição sobre a situação política atual e suas implicações para a opressão sobre a mulher.

Conteúdo exclusivo para assinantes do jornal A Nova Democracia
 

Já em Manga, no Norte de Minas, as ativistas revolucionárias e militantes da Liga dos Camponeses Pobres (LCP) também celebraram discutindo a situação atual. Cartazes, nas paredes, exaltavam a grande dirigente revolucionária brasileira, Sandra Lima, fundadora do MFP; além de outras dirigentes comunistas mulheres, como  Chiang Ching, uma das chefes da Grande Revolução Cultural Proletária; a camarada Norah, do Partido Comunista do Peru e outras.

Em Varzelândia e municípios ao seu redor foram realizadas também atividades de agitação e propaganda, como panfletagens denunciando os crimes contra o povo levado a cabo pelo atual governo.

LEIA TAMBÉM

Edição impressa

Endereços

Jornal A Nova Democracia
Editora Aimberê

Rua Gal. Almério de Moura 302/4º andar
São Cristóvão - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2256-6303
E-mail: anovademocracia@gmail.com

Comitê de apoio em Belo Horizonte
Rua Tamoios nº 900 sala 7
Tel.: (31) 3656-0850

Comitê de Apoio em São Paulo
Rua Silveira Martins 133 conj. 22 - Centro
Reuniões semanais de apoiadores
toda segunda-feira, às 18:45

Seja um apoiador você também!

Expediente

Diretor Geral 
Fausto Arruda

Editor-chefe 
Mário Lúcio de Paula
Jornalista Profissional
14332/MG

Conselho Editorial 
Alípio de Freitas
Fausto Arruda
José Maria Oliveira
José Ramos Tinhorão 
José Ricardo Prieto
Henrique Júdice
Hugo RC Souza
Mário Lúcio de Paula
Matheus Magioli
Montezuma Cruz
Paulo Amaral 
Rosana Bond

Redação 
Ellan Lustosa
Mário Lúcio de Paula
Patrick Granja